Família, escola de humanidade

francis

A guerra é a “mãe de todas as pobrezas e empobrece as famílias. É predadora de vidas e de almas”

O Papa Francisco falou em sua catequese dessa quarta-feira (03/06), da vulnerabilidade e das provações de muitas famílias.

Uma das grandes dificuldades é a pobreza, agravada ainda mais pelas guerras, que atingem principalmente a população civil, as famílias. Para Francisco, a guerra é a “mãe de todas as pobrezas e empobrece as famílias. É predadora de vidas e de almas”.

Nova ética

“É quase um milagre que, em meio a tanta pobreza, famílias continuem sendo formadas, mantendo inclusive relações humanas tão especiais. Deveríamos nos ajoelhar diante destas famílias que são uma verdadeira escola de humanidade que salva a sociedade da barbárie”, considerou Francisco, pedindo aos responsáveis pela vida pública “uma nova ética civil” para regulamentar as relações sociais.

Prosseguindo a catequese, o Papa denunciou a contradição entre as políticas econômicas e a família. “O trabalho da família é imenso e não é contabilizado nos balanços… nem reconhecido” disse, completando que “a formação interior das pessoas e a circulação social dos afetos têm justamente ali seu alicerce. Se ele for derrubado, tudo cai”.

Não só de pão…

“E não é só questão de pão! Falamos de trabalho, de instrução, de saúde. Quando vemos imagens de crianças desnutridas e doentes em tantos lugares do mundo nós nos comovemos muito. E o mesmo acontece ao vermos o olhar de crianças carentes de tudo, quando mostram com orgulho seu lápis e caderno, admirando com amor seu professor ou professora!… As crianças sabem que o homem não vive só de pão; as crianças querem amor!”.

Francisco lembrou que nós cristãos devemos estar sempre mais próximos das famílias que vivem na pobreza. “A miséria social atinge a família e por vezes a destrói. A falta ou a perda do trabalho, ou sua precariedade, incidem fortemente na vida familiar, colocando relacionamentos à dura prova”, advertiu.

Periferias existenciais

Sobre a cotidianidade das famílias, o Pontífice citou as condições de vida em bairros periféricos, os problemas ligados à moradia e aos transportes, a escassez de serviços sociais, médicos e escolares. Segundo ele, estas dificuldades materiais se somam os danos causados por modelos estereotipados de famílias passados pela mídia baseados no consumismo e no culto das aparências, que influenciam as camadas sociais mais pobres e incrementam a desagregação das relações familiares.

Terminando a catequese, Francisco convidou a Igreja, que é mãe, a não se esquecer do drama de seus filhos. “Ela também deve ser pobre para ser fecunda e responder a tanta miséria. Uma Igreja pobre é uma Igreja que pratica a simplicidade voluntária em sua vida – em suas instituições e no estilo de vida de seus membros – para abater todos os muros de separação, principalmente dos pobres”.

Oração especial

O Papa pediu ação, mas também oração: “Rezemos intensamente para ajudarmos nossas famílias cristãs a serem protagonistas desta revolução tão necessária! E não nos esqueçamos que o juízo dos carentes, dos pequeninos e dos pobres antecipa o juízo de Deus”.

Antes de passar às saudações aos grupos de várias línguas, o Pontífice convidou todos a meditar o texto da Bíblia, do Eclesiástico, pensando nas famílias que vivem na provação da miséria:

“Filho, não negues esmola ao pobre, nem dele desvies os olhos.
Não desprezes o que tem fome, não irrites o pobre em sua indigência.
Não aflijas o coração do infeliz, não recuses tua esmola àquele que está na miséria;
não rejeites o pedido do aflito, não desvies o rosto do pobre.
Não desvies os olhos do indigente, para que ele não se zangue”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *