Bem-Aventurada Irmã Dulce, o “Anjo Bom da Bahia”

Neste dia 13 de agosto é celebrado o dia da Bem-aventurada Dulce dos Pobres, a religiosa baiana que dedicou sua vida ao serviço aos pobres e doentes e ainda hoje é conhecida como Anjo Bom do Brasil.

O 13 de agosto foi escolhido como o dia oficial da festa litúrgica da Beata porque foi nesta mesma data, em 1933, na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Sergipe, que Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, aos 19 anos de idade, recebia o hábito de freira e adotava, em homenagem à sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

Conhecida nacionalmente dos suas obras de caridade, fundou um dos principais hospitais do Brasil, o Hospital Santo Antônio, em Salvador. Foi construído no antigo galinheiro que ficava nos fundos do Convento. Além disto, Dulce fez inúmeras obras de caridade e de misericórdia. Conheceu pessoalmente Santa Teresa de Calcutá e São João Paulo II, tendo visto o Santo Papa da Misericórdia em duas ocasiões, uma em 1980 em sua primeira visita ao Brasil e a segunda em 1991, quando recebeu a unção dos enfermos do Sumo Pontífice.

Em janeiro de 2000, teve início o processo de canonização de Irmã Dulce. Em 2010, a Congregação para a Causa dos Santos reconheceu a autenticidade de um milagre atribuído à religiosa. Trata-se do caso de Claudia Cristina dos Santos, ocorrido em Itabaiana, em Sergipe.

Após dar à luz seu filho, Gabriel, a mulher sofreu uma forte hemorragia, durante 18 horas, tendo sido submetida a três cirurgias. Diante da gravidade do quadro, os familiares chamaram Padre José Almí para ministrar a unção dos enfermos. O sacerdote decidiu fazer uma corrente de oração pedindo a intercessão de Irmã Dulce e deu a Cláudia uma pequena relíquia da Bem-Aventurada. A hemorragia cessou subitamente.

Irmã Dulce foi beatificada no dia 22 de maio de 2011. Para ser canonizada, é necessária a comprovação de mais um milagre atribuído à freira baiana, que tenha ocorrido após 11 de dezembro de 2010, data da promulgação do decreto papal sobre o primeiro milagre.

Veja também a vida de Irmã Dulce.

Há 102 anos nascia Irmã Dulce, o “Anjo bom da Bahia”