Conheça a história de irmãos que foram chamados à santidade

Muitos homens e mulheres ao longo da história viveram profundamente e radicalmente o chamado à santidade em família e muitos deles foram canonizados pela Igreja.

Abaixo conheça a história de irmãos santos:

Irmãos de Cartagena

Isidoro, Florentina, Fulgêncio e Leandro, nasceram e cresceram na cidade de Cartagena, na Espanha, no século seis depois de Cristo. Filhos do casal Severino e Teodora, receberam deles uma sólida educação cristã.

Os três filhos foram ordenados bispos e exerceram o seu ministério, sendo exemplo de vida cristã para o povo espanhol. Já Florentina se tornou abadessa e foi excelente diretora espiritual contribuindo para santificação a de muitas pessoas.


Irmãs mártires

Irene, Quiônia e Ágape foram mártires da Igreja por seu testemunho cristão. Ainda meninas, ficaram órfãs, decidiram não casar e levavam uma vida piedosa. Perseguidas pelo Imperador Diocleciano foram mortas por volta do ano 304. Na missa dedicada a elas, é feita menção de que elas não tiveram medo nem de feras, nem de mutilações, nem de outras torturas.


Irmãos peregrinos

Os irmãos franceses Lupicino e Romão são conhecidos como irmãos peregrinos. Apaixonados pelos Padres do deserto fundaram um mosteiro. Lupicino era muito justo e intolerante, já Romão era dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Em suas diferenças, se completavam.


Santo Francisco Marto e Santa Jacinta Marto

Da história mais recente, embora ainda não sejam canonizados pela Igreja, lembramos o testemunho dos irmãos Francisco e Jacinta de Fátima, Portugal. Ainda na infância experimentaram um profundo amor a Deus, a Jesus e Maria e praticaram, num grau heroico, as virtudes que Deus considera como sendo de uma criança: obediência, confiança, simplicidade, humildade, amor e dedicação. Seu testemunho de santidade com tão pouca idade comove e converte pessoas em todo o mundo.


 

São Bento e Santa Escolástica

Santa Escolástica ( 480 DC – 547 DC ) é uma Santa Católica, nascida na Itália e irmã gêmea de São Bento de Núrsia, pai do monaquismo. Escolástica buscava a santidade desde muito jovem e conta-se que iniciou sua vida consagrada a Deus antes de seu irmão.

A história mais contada sobre ela é que Escolástica e Bento, por mortificação, se encontravam apenas uma vez por ano para diálogos santos. Num desses dias, pouco antes de sua morte, a santa pediu ao irmão que desta vez ficasse até o amanhecer, mas ele se recusou, insistindo que precisava voltar a sua cela.

Com a resposta negativa, Escolástica orou a Deus e , após alguns minutos, uma tempestade começou. Vendo a situação, Bento perguntou: ” – O que você fez?”, ao que ela respondeu: ” – Pedi a ti e não me ouvistes; pedi a Deus e Ele me ouviu”. Vá embora, se puder, e volte ao seu mosteiro”.
Ele, porém, não pode retornar e eles passaram a noite conversando.

Três dias depois, de sua cela, Bento viu a alma de sua irmã deixar a Terra e subir ao Céu. São Bento faleceu quarenta dias após a sua irmã.


São Cosme e São Damião

São Cosme e São Damião nasceram na cidade de Egéia, na Arábia, por volta do ano 260. Eram gêmeos, filhos de família nobre. Sua mãe, Teodata, ensinou-lhes a fé cristã. E ensinou-lhes de tal forma, que Jesus Cristo passou a ser o centro de suas vidas.

Cosme e Damião foram estudar na Síria, na época, um grande centro de estudos e formação. Lá, os gêmeos se especializaram nas ciências e na medicina. Tornaram-se médicos famosos pela competência, obtendo grandes sucessos nos tratamentos, como também na caridade para com os doentes.

Por causa da profunda formação cristã que tiveram, os irmãos, vivendo num mundo paganizado, decidiram atrair as pessoas para Jesus Cristo através do exercício da medicina. E faziam isso não de maneira impositiva ou constrangedora, mas, principalmente, através da caridade, do amor e da competência.

Além disso, eles não cobravam por seus serviços médicos. Por esta razão espalhou-se a ideia de que os dois gêmeos médicos não gostavam de dinheiro. Não era bem isso. Na verdade, os dois eram grandes almas que sabiam dar ao dinheiro o seu devido lugar. Eles queriam curar as pessoas no corpo e na alma, levando a elas também os ensinamentos e a salvação de Jesus Cristo. Por este motivo, São Cosme e São Damião são os padroeiros dos médicos, das faculdades de medicina e dos farmacêuticos.


A vocação à santidade é para todos

Todo batizado pode ser santo. E como ser santo? Primeiro compreender que a santidade não é algo que nos propomos sozinhos, mas um dom que Jesus nos concede. “Cristo amou a Igreja e se entregou por ela para a santificar” (cf. Ef 5, 25-26). Podemos viver a santidade testemunhando Cristo nas ações diárias, oferecendo amor e compaixão aos que sofrem e vivendo com alegria, porque a santidade não é algo pesado, pelo contrário é a busca pela realização, pela felicidade plena.

Fonte: A12, Rosa Mística, Cruz Terra Santa