Encontro Mundial das Famílias: feridas e esperanças no centro dos debates

O Encontro Mundial das Famílias teve início na terça-feira, 21 de agosto, em Dublin, na Irlanda, e trouxe mesas redondas e testemunhos sobre o futuro da família sem esquecer as feridas.

O secretário do Dicastério para os Leigos, Família e Vida, Padre Alexandre Awi de Mello concedeu uma entrevista para a agência de notícias do Vaticano, Vatican News. Leia abaixo mais detalhes sobre o Encontro.


Realiza-se em Dublin o Encontro Mundial das Famílias 2018. Na terça-feira a noite, 21 de agosto, foram realizadas as cerimônias de abertura, simultâneas com 26 dioceses da Irlanda, e a partir de quarta-feira, até esta sexta-feira realiza-se o Congresso pastoral inspirado na Exortação Apostólica pós-Sinodal Amoris Laetitiae. Partindo dessa Exortação estão sendo feitas reflexões, confrontos e projetos.

Dom Eamon Martin, arcebispo de Armagt, Primaz da Irlanda e presidente da Conferência Episcopal Irlandesa, iniciou os trabalhos com um primeiro encontro sobre um tema complexo, mas ao mesmo tempo estimulante: como ensinar as famílias a redescobrir a fé e comunicá-la às novas gerações, consequentemente à sociedade.

Já para a vice-presidente do Fórum Nacional italiano das Famílias, Emma Ciccarelli “este encontro é uma bênção. Uma ocasião para centralizar novamente o valor da família, assim como nos pediu o Papa Francisco na sua videomensagem. Aqui na Irlanda, – disse ela – percebe-se o quanto seja urgente essa exigência. Andando pelas ruas, me dei conta da grande quantidade de jovens, a eles deve ser direcionada a nossa mensagem de esperança para a família”.

Encontros e debates

O programa das atividades do Congresso tem uma sequência de mesas redondas, painéis e testemunhos não apenas sobre o papel da família na sociedade de hoje e sua articulada relação com a Igreja, mas também sobre as múltiplas feridas da família. Ciccarelli evidencia: “Os temas de discussão abordam o dia a dia. São feitas reflexões sobre famílias refugiadas, sobre o problema do abismo digital entre as gerações, sobre as dificuldades do matrimônio. Não são somente temáticas ideológicas, mas também concretas, podemos dizer pastorais. Dão sua própria contribuição, com seu testemunho, vários casais e jovens que passam por estes problemas”.

Educação e eucaristia, verdadeiro motor do encontro

Pode-se dizer que a oração é o verdadeiro motor deste Encontro Mundial. Foram montadas duas grandes áreas dedicadas à oração comunitária e pessoal, e à adoração eucarística. Todos os dias, às 16h30, é celebrada uma Santa Missa.

Fonte: Vatican News