Santa Catarina da Suécia

Santa Catarina

Santa Catarina nos ensina que a obediência ao projeto de Deus nos garante a felicidade plena e nos remete à santidade.
Aos dezesseis anos, Catarina foi orientada por seu pai a casar-se com o Conde Edgard Lydersson van Kurner que juntamente com Catarina fizeram os votos de celibato e viveram uma vida fraterna de oração e dedicação às obras de caridade até mesmo quando Edgard foi acometido de uma grave paralisia. Este testemunho rendeu muitas transformações na família.

Neste mesmo tempo, ocorre o falecimento do pai de Catarina e sua mãe Brígida resolve dedicar-se à vida religiosa indo embora para Roma onde se estabeleceu no Mosteiro de Farfa, no Lácio. Catarina, no ímpeto de rever a mãe obtém do esposo a concessão para viajar até Roma no ano de 1350. Passado algum tempo de sua chegada Catarina resolve voltar, porém é convencida por sua mãe a ficar visto que Deus havia revelado a Brígida que Catarina deveria acompanhar-lhe na vida religiosa e que seu esposo iria falecer.

Tomada de grande dor e pesar pela perca do esposo, Catarina sofreu uma terrível depressão a qual foi vencida graças a uma intervenção da Virgem Maria que lhe aconselhou a seguir sua mãe nas missões. Juntas fundaram mosteiro de Vadstena, na Suécia, criaram a Ordem de São Salvador e visitaram inúmeras igrejas realizando obras de caridade, atendendo aos pobres e catequisando os estrangeiros.

Após peregrinarem à Roma, no ano 1373 faleceu sua mãe Brígida. Seu corpo foi transladado para a Suécia por Catarina e seu irmão. Catarina ingressou no Mosteiro de Vadstena onde se tornou abadessa. Alguns anos depois viaja para Roma para apresentar ao Papa o pedido de canonização de sua mãe.

Retornando de Roma para a Suécia, foi acometida de grave doença e no dia 24 de março de 1381, aos cinquenta anos, veio a falecer. Sua canonização ocorreu em 1484 confirmada pelo Papa Inocêncio VIII.

 

fonte: Zenit
(24 de Março de 2015) © Innovative Media Inc.