Os Padres Marianos e a devoção à Divina Misericórdia

“Siate, (…) apostoli della misericordia divina sotto la guida materna ed amorevole di Maria.”
“Sejam Apóstolos da Divina Misericórdia sob a orientação materna e amorosa de Maria”.
(Discurso do Papa João Paulo II aos Padres Marianos, reunidos em Roma, por ocasião do Capítulo Geral, no dia 22 de junho de 1993).

O que fez com que, desde 1941, os Marianos da Imaculada Conceição se tornassem promotores oficiais da autêntica mensagem da Divina Misericórdia? Qual é a ligação dos Marianos com a freira polonesa, Irmã Maria Faustina Kowalska, que foi escolhida pelo Senhor para ser a Secretária da Divina Misericórdia? Permitam-me compartilhar com vocês uma incrível história que começa no centro da Europa.

Um ano depois da morte da Irmã Faustina (05.10.1938), explodiu na Europa a Segunda Guerra Mundial. No meio do horror dessa geena, já circulavam entre as pessoas os livretos e santinhos de Jesus Misericordioso, providenciados e propagados pelas coirmãs da Irmã Faustina. Muitas pessoas, naqueles tempos difíceis, recorriam à Divina Misericórdia pedindo salvação e proteção. Um deles foi o Padre Józef Jarzębowski, membro da Província Polonesa dos Marianos.

Forçado a fugir da Polônia, durante a ocupação nazista, em 1939, Padre Jarzębowski buscou refúgio em uma das casas dos Padres Marianos na Lituânia, com esperança de obter um visto que lhe permitisse a entrada nos Estados Unidos, onde, em Washington – DC, ele poderia encontrar os seus colegas Marianos. Conseguiu obter o visto, porém, por causa da guerra, as rotas de saída foram fechadas antes que pudesse deixar a Lituânia. O visto expirou. Para complicar a situação, os soviéticos começaram a exigir uma autorização que permitisse também a saída. Em suas viagens na Lituânia, ele encontrou um acampamento de soldados poloneses refugiados perto de Wiłkomierz. Ali, conheceu dois sacerdotes, Nikodem Dubrawka e Antony Mańturzyk, os quais haviam sido alunos do Padre Miguel Sopoćko, que tinha sido diretor espiritual da Irmã Faustina Kowalska. Esses dois sacerdotes estavam rezando a novena à Divina Misericórdia. Deram ao Padre Jarzębowski explicações sobre essa novena. O Padre Jarzębowski, no entanto, permanecia cético. Chegaram até ele notícias de que as pessoas recebiam graças em situações impossíveis através da devoção à Divina Misericórdia, contudo ele continuava duvidando do valor dessa devoção.

Em 15 de junho de 1940, o exército soviético invadiu a Lituânia. As chances do Padre Jarzębowski chegar aos Estados Unidos ficaram ainda menores. Permaneceu por um tempo na casa dos Marianos de Mariampol, porém teve de sair dela quando esta, em 14 de julho, foi tomada pelos soldados russos. Aconselhado por um seminarista polonês, Padre Jarzębowski começou a rezar a “Jesus da divina misericórdia”, pedindo proteção. Esse e outros seminaristas que ajudaram o padre a obter a necessária autorização para viajar, posteriormente foram enviados para campos de trabalhos forçados na Sibéria.

No outono de 1940, Padre Jarzębowski, sem sucesso, tentou obter a renovação do visto americano. Nessa altura, ele conseguiu uma cópia tanto da Novena à Divina Misericórdia como do santinho de Jesus misericordioso. Portando-os consigo, foi novamente até as autoridades soviéticas pedir a autorização para sair do país. Milagrosamente, não obstante o fato de que seu visto americano tinha expirado, recebeu a autorização. A viagem, através da Sibéria, até o Japão, foi negociada.

Pouco antes de sair da Lituânia, Padre Jarzębowski foi, em Wilno, visitar o Padre Sopoćko, o qual lhe deu, para levar consigo, um “memorando”, ou seja, uma exposição por escrito, sobre a devoção à Divina Misericórdia, de sua autoria, com o título: “De misericordia Dei deque eiusdem festo instituendo” (Sobre a misericórdia de Deus e o estabelecimento de sua festa). No dia seguinte, Padre Jarzębowski celebrou a santa Missa diante da Imagem original de Jesus Misericordioso, que Nosso Senhor havia pedido para Santa Faustina pintar e propagar em todo o mundo. Entregou a viagem que ia empreender à Divina Misericórdia, prometendo promover a Sua Devoção por todo o resto da vida, caso conseguisse chegar até junto dos seus irmãos Marianos em Washington, DC.

A tempestade da guerra jogou-o através da Rússia e do Japão. Conseguindo escapar milagrosamente da morte, se reuniu aos Padres Marianos dos Estados Unidos. Depois passou pelo México e por fim chegou à Inglaterra. Nesses países, com fervor e coragem, divulgava a Devoção a Jesus Misericordioso.

Propagação da Devoção nos Estados Unidos

A Devoção à Divina Misericórdia, trazida pelo Padre Jarzębowski desde Wilno, foi acolhida nos EUA graças ao Padre Józef Łuniewski, MIC (fundador da província americana dos Padres Marianos). Como diz o historiador Tadeusz Górski, MIC:

“A respeito da Mensagem da Misericórdia muito interessou-se o Padre Łuniewski. Acolhendo o conselho do Padre Bakalarczyk, procurou o Núncio Apostólico pedindo o parecer deste a respeito dessa Mensagem. Encontrando a favorável aprovação do Núncio, o Padre Łuniewski enviou para todos os bispos norte americanos e para Centros Universitários dos EUA o Memorando escrito pelo Padre Sopoćko”.

Nessa mesma época, os Marianos iniciaram a divulgação da Devoção imprimindo, pela primeira vez, em polonês, o santinho de Jesus Misericordioso, a novena e a história da Devoção. A Devoção à Jesus Misericordioso foi acolhida, portanto, em primeiro lugar pelos imigrantes poloneses e resultou numa intensa troca de correspondência com os Padres Marianos. Os superiores designaram um seminarista do terceiro ano de teologia chamado Władysław (“Walter”) Pelczyński para responder a essas correspondências. Em consequência desse encargo, tornou-se para ele evidente o dever de promover a devoção à Divina Misericórdia em língua inglesa. Para isso, no ano de 1942, imprimiu, dessa vez com legenda em inglês, pequenos santinhos, em cores, de Jesus Misericordioso, segundo o modelo que o Padre Jarzębowski trouxe de Wilno. Traduziu para a língua inglesa o Memorando do Padre Sopoćko, a Novena, e o Terço da Divina Misericórdia. Enviou exemplares desses materiais para os seus familiares e conhecidos. Assim nasceu o futuro Apostolado da Divina Misericórdia.

Em 1943, os Marianos adquiriram uma propriedade: Eden Hill, em Stockbridge ‒ Massachusetts, para construir um Santuário dedicado à Divina Misericórdia. No ano seguinte, o Padre Władysław Pelczyński fundou oficialmente o Apostolado da Divina Misericórdia. Junto ao Santuário, foi construída a Casa dos Marianos, e aberta uma editora. Eden Hill tornou-se um Centro Internacional de divulgação da Mensagem e da Devoção à Divina Misericórdia.

Hoje, Eden Hill é o Santuário Nacional da Divina Misericórdia dos Estados Unidos, e é conhecido mundialmente graças à EWTN (Eternal Word Television Network ― a maior rede de comunicação católica do mundo, fundada em 1981). A EWTN transmite anualmente para o mundo inteiro a Festa da Divina Misericórdia e ainda outros eventos relacionados com a propagação da Mensagem da Divina Misericórdia. A Editora e o Apostolado da Divina Misericórdia trabalham com muito sucesso por meio de novos organismos que nasceram para a divulgação dessa Mensagem. São eles: Auxiliares dos Padres Marianos, Apóstolos Eucarísticos da Divina Misericórdia, Mensageiros da Mãe da Misericórdia, Profissionais de saúde para a Divina Misericórdia, Amigos da Misericórdia e agora também o Instituto João Paulo II.

Devoção à Divina Misericórdia no Brasil

Depois do término da Segunda Guerra Mundial, a propagação da Devoção à Divina Misericórdia, por iniciativa dos Padres Marianos, acelerou-se. A princípio, nos Estados Unidos, depois, na Inglaterra e em Portugal, onde foram criados centros de divulgação chamados Apostolados da Divina Misericórdia.

Sabe-se que, em 1949 entre outros livretos em português e espanhol já circulava no Brasil o livreto “Jesus confiamos em Vós” ― uma tradução da obra do confessor da Irmã Faustina, Padre Józef Andrasz, SJ, editado, com aprovação eclesiástica, em Bragança Paulista.

Os Padres Marianos, que deram início à missão brasileira em 1964, desde o início propagaram essa Devoção, apoiando-se nos textos originais providenciados pelo Apostolado dos Estados Unidos. E, desde 1980, dedicou-se exclusivamente e por muitos anos à divulgação da Devoção à Divina Misericórdia, como uma retribuição de gratidão a Deus, e como uma via de evangelização, o Pe. Andrzej Krzymyczek.

“Um dos profundos motivos dessa sua consagração à divulgação desse culto foi a graça ― alcançada mediante a oração a Jesus Misericordioso ― de uma renovação da sua vida sacerdotal e da sua confiança em Deus, apesar dos graves problemas de saúde”.

A comunidade brasileira dos Padres Marianos assumiu a propagação da Devoção à Divina Misericórdia como missão fundamental. Em todas as paróquias que dirige é entronizado o Quadro de Jesus Misericordioso, celebra–se com especial zelo a Festa da Divina Misericórdia, antecedida pela Novena que é rezada também em todas as sextas-feiras do ano, como uma novena perpétua. A Província dos Padres Marianos no Brasil, erigida em 8 de setembro de 1998, tem oficialmente no seu nome ― Província Brasileira da Divina Misericórdia ― a evidência da intrínseca relação dos Marianos com a propagação da devoção à Divina Misericórdia, dimensão integrante do seu carisma.

Padre André Lach, MIC
Diretor do Apostolado da Divina Misericórdia

 

Conheça mais sobre a história do Apostolado da Divina Misericórdia

 Apostolado da Divina Misericórdia no Brasil (clique aqui)

A Misericórdia Divina no Carisma da Congregação dos Padres Marianos (clique aqui)

O precursor da devoção à Divina Misericórdia no Brasil partiu para junto de Deus (clique aqui)

Propagação da Devoção nos Estados Unidos (clique aqui)