João Paulo II: sua trajetória como Papa da Misericórdia

2 de abril é o dia do falecimento do Papa João Paulo II. Neste ano, completamos 14 anos de sua morte.

Karol Wojtyla, nasceu em Wadowice, uma cidade a 50 km de Cracóvia, no dia 18 de maio de 1920 e foi batizado dois dias depois. Aos 9 anos recebeu a Primeira Comunhão e, aos 18, o Sacramento da Crisma. No dia 1 de novembro de 1946, recebeu a ordenação sacerdotal. Logo em seguida foi para Roma, onde licenciou-se e doutorou-se em teologia. Depois regressou à Polônia, onde teve alguns cargos pastorais e ensinou as disciplinas sagradas.

Em 4 de julho de 1958, o Papa Pio XII nomeou-o bispo auxiliar de Cracóvia. Em 1964, Paulo VI destinou-o como arcebispo para a mesma Sé. Como tal, participou do Concílio Vaticano II. Paulo VI nomeou-o cardeal em 26 de junho de 1967. Foi eleito Papa em 16 de outubro de 1978 adotando o nome “João Paulo II”, e em 22 de outubro iniciava-se solenemente o seu ministério petrino.

O pontificado de João Paulo II foi o terceiro mais longo da história da Igreja, o qual ele exerceu com incansável espírito missionário, dedicando todas as energias impelido pela preocupação com todas as Igrejas e pela caridade aberta à humanidade inteira. Mais do que qualquer dos seus predecessores, encontrou-se com o povo de Deus e com os responsáveis das nações, nas celebrações, nas audiências gerais e particulares, e nas visitas pastorais. O seu amor pelos jovens levou-o a iniciar as Jornadas Mundiais da Juventude, convocando milhões deles para diversas partes do mundo.

Reformou os Códigos de Direito Canônico e o Código das Igrejas Orientais e reorganizou a Cúria Romana. Como Sumo Sacerdote, exerceu o ministério litúrgico na diocese de Roma e em todo o mundo, em plena fidelidade ao Concílio Vaticano II. Promoveu de modo especial a vida e a espiritualidade litúrgica, e a oração contemplativa, especialmente a adoração Eucarística e a oração do Santo Rosário ( Rosarium Virginis Mariae).

Guiada por ele, a Igreja aproximou-se do terceiro Milênio e celebrou o Grande Jubileu de 2000, segundo as linhas indicadas com a carta apostólica Tertio millennio adveniente. Depois, a Igreja entrou no novo milênio recebendo suas indicações na carta apostólica Novo millennio ineunte , na qual mostrava aos fiéis o caminho do tempo futuro.

Como o ano da Redenção, o ano Mariano da Eucaristia promoveu a renovação espiritual da Igreja. Deu um impulso extraordinário às beatificações e canonizações para mostrar inumeráveis exemplos da santidade que servissem de estímulo aos homens de hoje. Proclamou Doutora da Igreja santa Teresinha do Menino Jesus.

O Magistério doutrinal de João Paulo II foi muito rico. Guardião do depósito da fé, ele esforçou-se com sabedoria e coragem em promover a doutrina católica, teológica, moral e espiritual e se opôs às tendências contrárias à genuína Tradição da Igreja. Entre os documentos principais contam-se 14 encíclicas, 15 exortações apostólicas, 45 cartas apostólicas, além das catequeses propostas nas audiências gerais e nas alocuções pronunciadas em todas as partes do mundo. Promulgou o Catecismo da Igreja Católica, à luz da Tradição, autorizadamente interpretada pelo Concílio Vaticano II. O seu magistério culminou na encíclica Ecclesia de Eucharistia e na carta apostólica Mane Nobiscum Domine, durante o ano da Eucaristia.

Na luz de Cristo ressuscitado dos mortos, no dia 2 de abril de 2005, às 21:37, enquanto o sábado chegava ao fim, e já tínhamos entrado no dia do Senhor, oitava da Páscoa e domingo da Divina Misericórdia, o amado pastor da Igreja, João Paulo II, passou deste mundo ao Pai. Toda a Igreja em oração acompanhou a sua passagem, especialmente os jovens.

João Paulo II viveu 84 anos, 10 meses e 15 dias. Esteve à frente da Igreja Católica 26 anos, 5 meses e 17 dias. Que lá do céu, ele interceda por nós, hoje e sempre.

 

Pe. Ednilson de Jesus, MIC

 

Rico em misericórdia

 

Loja Santuário 

O Diário de Santa Faustina

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*