2ª palestra do 19º Congresso da Divina Misericórdia

O segundo dia do 19º Congresso da Divina Misericórdia, aconteceu nesta segunda-feira (09) e contou com a participação da Irmã Jacinta Motorna, Superiora da Congregação Irmãs de Jesus Misericordioso.

A segunda palestra do Congresso teve como tema “A Misericórdia Divina facilita o conhecimento e o amor a Deus” – segundo capítulo do livro do Padre Miguel Sopoćko: A Misericórdia de Deus em Suas obras (pág. 28-36 da 1ª edição / 29-37 da 2ª edição).

A Irmã Jacinta iniciou sua formação explicando sobre o conhecimento de Deus, pois não se pode amar a quem não se conhece, e muito menos se pode alcançar a felicidade de tal amor. Mas, como conhecer a Deus, se ninguém jamais O viu?

“O Padre Miguel nos diz que o conhecimento de Deus pode ser natural e sobrenatural. Pela razão conhecemos a Deus de maneira natural, através das Suas obras divinas.”

Segundo o Concílio Vaticano I: “Deus, início e fim do universo, certamente pode ser conhecido com a luz natural da razão, com a ajuda das coisas criadas, porquanto as coisas divinas invisíveis tornaram-se compreensíveis às criaturas deste mundo com a ajuda das coisas criadas” (pág. 28 da 1ª edição / 29 da 2ª edição).

O conhecimento natural é possível entender através da argumentação racional, a partir de duas provas: as provas cosmológicas – que vão nos explicar Deus por meio do mundo que nos rodeia; e as provas psicológicas – que são manifestações da alma humana.

 

Conhecimento natural

A nossa razão começa a entender Deus como uma verdade suprema. “Mas somente através da nossa razão, sem a nossa vontade, não podemos entender nada. E a nossa vontade olha para Deus como o mais perfeito Bem. Este perfeito Bem está sempre aberto a derramar graças”.

Por isso, Deus nos tira da miséria, do nada, e Ele o faz sem nenhuma necessidade, exclusivamente porque é Misericordioso. Deus está junto de nós e não quer nos deixar.

“Essa motivação da criação do mundo melhor esclarece o ato criador e estimula o homem ao amor natural a Deus, que não somente criou o mundo, mas, levado pela Sua misericórdia, continua a preservá-lo na existência e guia toda criatura ao fim que lhe é apropriado.” (pág. 29 da 1ª edição / 30 da 2ª edição).

 

Conhecimento sobrenatural

Este conhecimento é mais próximo para nós porque toca a nossa fé. “Conhecemos Deus através da nossa fé. Quando Deus nos criou e nos deu a vida, Ele passpu a cuidar de nós o tempo todo, mesmo que você não sinta”.

“Deus destina todos os homens à participação em Sua vida divina, que com esse objetivo concedeu dons sobrenaturais aos nossos primeiros pais e, após a queda deles, escolheu uma forma extraordinária, surpreendente e inconcebível aos anjos e aos homens para salvar a humanidade” (pág. 29-30 da 1ª edição / 31 da 2ª edição).

Deus nos mostra como é grande Sua misericórdia e o Seu amor, ao enviar o seu filho, Jesus, para sofrer, morrer na cruz e salvar todo o gênero humano da perdição eterna. “Tudo isso nos leva a fé, nós não conseguiríamos entender nosso Deus se não tivéssemos fé.”

A fé é um ato e também uma virtude. É um ato quando olhamos para as diferentes obras que Deus está fazendo, que Deus revelou. “Mas quando olhamos com a nossa razão, às vezes, não é tão fácil acreditar. Por isso, nossa razão não é capaz de entender o que não podemos confirmar. Justamente por isso devemos ter uma grande influência sobre a nossa vontade, para que a razão reconheça como verdade o que não compreende”.

Nesse sentido entra a devoção à Divina Misericórdia, pois “quando eu sei que Deus é Misericordioso e que eu posso acreditar, isso me fortalece. Assim, quando a minha vontade move a minha vida, a minha razão começa a entender e acreditar em Deus. Mas tudo isso, não é possível sem a graça Dele, sem a Sua grande Misericórdia por nós”.

O Concílio Vaticano I explica que “crer é um ato da razão, que reconhece a verdade divina como uma ordem da vontade estimulada pela graça de Deus”, (pág 31 da 1ª edição / 32 da 2ª edição).

Já a fé como uma virtude, é a graça é derramada por Deus em nossa alma durante o sacramento do batismo. Essa fé, durante a nossa vida, normalmente, ela deve crescer, apesar de que nem sempre isso acontece. O que mais atrapalha a fé são os pecados do homem, quando nos tornamos indiferente e descrente.

Portanto, Deus é o principal autor da nossa fé como um ato e como uma virtude. Deus está preocupado com cada pecador, Ele vai atrás de mim e de você todo o tempo. Mas a liberdade de cada um pode fazer com que não enxerguemos a Deus. Ele pode estar muito perto, mas não enxergará Deus na sua vida.

Isso nos leva ao maior mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas; e o segundo mandamento: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.


Você pode assistir a palestra na íntegra clicando abaixo.