Os anjos na vida do católico

 

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador,
Se a ti me confiou a piedade divina,
Sempre me rege, me guarda, me governa me ilumina.
Amém.

 

Caros devotos de Jesus Misericordioso, desde a nossa infância aprendemos a oração do Anjo da Guarda. Com certeza, depois do Pai-Nosso e da Ave-Maria, ela é a primeira. E no percurso da vida vai nos acompanhando, certos de que ela nos protegeu, protege e protegerá.

 

O que a Igreja nos ensina a respeito dos anjos?

Ela nos ensina que é uma verdade da nossa fé. Eles são seres espirituais e não corporais. São criaturas, o próprio Deus os criou. “Anjo (mensageiro) é designação de encargo, não de natureza. Se perguntares pela designação de natureza, é um espírito; se perguntares pelo encargo, é um anjo; é espírito por aquilo que é, é anjo por aquilo que faz” (Catecismo da Igreja Católica – CIC 329). Sua missão é estar a serviço de Deus em contemplação de Sua face prestando ajuda às pessoas. “Não desprezeis um só destes pequenos! Eu vos digo que seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face do meu Pai que está no céu” (Mt. 18,10).

Veja que o próprio Jesus fala desta realidade nos ensinando que os anjos nos acompanham em nossa história humana.

 

“Eles aí estão, desde a criação e ao longo de toda a História da Salvação, anunciando de longe ou de perto esta salvação e servindo ao desígnio divino de sua realização: fecham o paraíso terrestre, protegem Lot, salvam Agar e seu filho, seguram a mão de Abraão, comunicam a lei por seu ministério, conduzem o povo de Deus, anunciam nascimentos e vocações, assistem os profetas. É o anjo Gabriel que anuncia o nascimento do Precursor e o do próprio Jesus” (CIC – 332).

 

Dentre todos os anjos criados por Deus só conhecemos o nome de três: Gabriel – Fortaleza de Deus; Miguel – Quem é como Deus?; Rafael – Deus cura. Servindo a Deus, eles nos auxiliam em nossa caminhada terrena e podemos sempre contar com a proteção que eles realizam a nosso favor. “Eu vou mandar um anjo à sua frente, para te guardar pelo caminho e te conduzir ao lugar que eu te preparei” (Ex 23,20). Esses ensinamentos da Igreja vêm nos ajudar a fortalecer nossa devoção aos Santos Anjos e a estarmos atentos aos auxílios que eles podem prestar-nos diante de nossas necessidades materiais e espirituais. Também podem ajudar a alimentar nossa confiança em Deus pelos cuidados que Ele tem para com cada um de nós.

A literatura e o cinema tem um poder grandíssimo de chamar nossa atenção diante de suas produções. Pensemos na influência que eles geram em nossas crianças e adolescentes diante dos contos de fadas, enchendo de encanto suas mentes e alimentando seus sonhos. “Na literatura e no cinema existem muitas histórias sobre habitantes de outros planetas, geralmente representados como mais inteligentes e poderosos que nós, pobres mortais ligados a terra. Mas nem o mais engenhoso dos escritores de ficção científica poderá fazer justiça à beleza deslumbrante, à inteligência poderosa e ao formidável poder de um anjo”. (A fé explicada. Leo J. Trese, Ed. Quadrante, pag. 32).  Por isso, a importância de educar nossas crianças e adolescentes mostrando que os anjos não são contos de fadas, mas uma realidade que nos ajuda no cotidiano de nossas vidas. Não são seres que tiram nossos problemas e dificuldades, mas nos ajudam a vencê-los.

Em várias passagens do Diário de Santa Faustina ela nos mostra a realidade dos anjos atuando em sua vida, por exemplo:

 

“Então, vi a meu lado um dos sete Espíritos, radiante como anteriormente, sob uma forma luminosa. Continuamente via-o a meu lado e, mesmo enquanto estava viajando de trem, eu o via. Reparei que em cima de cada uma das igrejas por onde passava encontrava-se um anjo, embora envolvido por uma luz mais pálida do que a do Espírito que me acompanhava na viagem” (Diário, 630).

 

Que os santos anjos nos ajudem a renovar nosso amor e confiança a Jesus; nos leve a crescer na fé, esperança e caridade. E também abra nossos corações à gratidão a Deus por cuidar generosamente de cada um de nós pela intercessão dos santos anjos. Somos vencedores não por nossas forças, mas por nossa confiança depositada em Jesus, e assim Ele envia seus anjos para lutarem a nosso favor.

 

 


Por Padre Leandro Aparecido, MIC
Revista Divina Misericórdia, Ed. 74