Elias e Moisés já estavam no céu antes da ressurreição de Jesus?

O Evangelho (Mt 17,1-9) deste último domingo, 12 de março, gerou uma certa dúvida teológica em um amigo meu (e, creio em muitos outros por aí): neste texto bíblico, Jesus aparece conversando com Moisés e Elias. Ora, Jesus ainda não havia morrido e ressuscitado e Ele mesmo disse, em outro lugar, que “ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem” (João 3, 12). Como então Moisés e Elias falavam com ele, se não tinham ainda entrado no céu? Ou será que já tinham?

Ainda mais, sobre Elias e outro personagem bíblico, Henoc, o Texto Sagrado diz que eles foram arrebatados (Cf Gn 5,24; 2 Re 2,1ss). A pergunta então é, como entender o que Jesus disse que ninguém subiu aos céus, se estes dois foram arrebatados? Não teriam sido justamente arrebatados para o céu?

Vamos ainda nos lembrar de um outro ponto da fé bíblica, antes de dar uma resposta: a Bíblia fala do Xeol (Sheol) (cf Gn 42,35ss), uma espécie de “lugar” onde todos os mortos do AT estavam digamos, confinados. Antecipo a resposta dizendo que a Igreja não diz nada oficialmente sobre esta condição particular destes 3 personagens do AT, mas podemos entender que:

– Sim, antes da morte e ressurreição de Jesus, ninguém tinha entrado no céu. Isso porque o pecado, comum a todos os homens (Rm 5,12), não havia sido ainda tirado do mundo pelo Cordeiro de Deus. Ao dar sua vida por nós, Jesus destruiu a morte. Foi após sua morte que Jesus “desceu à mansão dos mortos” e levou as almas dos homens justos (que estavam no Xeol) para o céu (cf Ef 4,9; Catecismo nn. 632-635);

– Assim, o arrebatamento de Henoc e Elias pode indicar que eles receberam uma graça especial de Deus ao deixar este mundo, provavelmente não passando pelo mesmo tipo de morte natural que todos nós passamos. A presença de Elias e Moisés na transfiguração, falando com Jesus, pode indicar que algumas pessoas muito próximas de Deus no AT já tinham alguma especial visão de Deus e conhecimento em Deus do que viria a acontecer em nossa história humana. Mas não necessariamente que eles já tivessem entrado na glória do Pai, na qual os santos só entraram e entram depois que Jesus entrou. Assim, Moisés, Elias, Henoc e todos os demais justos esperavam por sua entrada no céu, para contemplar em definitivo a face de Deus.

É importante lembramos que Nossa Senhora. Por ser a Mãe de Jesus, recebeu uma “singular” graça de Deus: ter sido concebida sem pecado (Imaculada) e, por isso, ao “terminar sua vida terrena” ela sim foi direto para o céu, em corpo e alma (enquanto que todos os demais santos que estão no céu esperam pela ressurreição de seus corpos quando Deus fizer o julgamento final da humanidade.

Para saber mais sobre o ensinamento da Igreja em relação à vida eterna, ressurreição e outros temas afins, sugiro a leitura do meu livro “Após a Morte há Vida”.
Clique aqui e adquira na Loja do Santuário da Divina Misericórdia.

Padre Silvio Roberto, MIC.