Festa da Misericórdia e Santa Faustina: Virtudes e desejos

No Evangelho de São Mateus (18,3) Jesus fala: “Se não mudardes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus”. Também em São Marcos (10,15) o Senhor nos diz que é preciso acolher o Reino de Deus “como uma criança”. Nessas duas passagens podemos destacar duas virtudes de Santa Faustina que nos ajudam a compreender o modo como ela esperou ansiosamente e, de certa forma, antecipou as alegrias da Festa da Misericórdia.

A primeira virtude é a simplicidade

Faustina era, sem dúvida, simples como uma criança nas mãos de Deus, e o próprio Jesus apreciava essa atitude, dando-lhe graças para aperfeiçoá-la. De fato, disse-lhe Jesus: “quero ensinar-te a infância espiritual. Quero que sejas muito pequena, porque, quando és pequena, eu te carrego junto ao meu Coração” (Diário de Santa Faustina, 1481).

A segunda virtude é o reconhecimento

Santa Faustina aprendeu que aquilo que se recebe é dom gratuito e não uma forma de recompensa por nosso merecimento. Como exprime o Pe. Raniero Cantalamessa: “Acolher o Reino como uma criança significa acolhê-lo gratuitamente, como dom, não a título de merecimento. (…) As crianças sabem por instinto a diferença que há entre o merecimento e o privilégio e jamais renunciarão ao seu privilégio de serem crianças, pelo merecimento” (A vida em Cristo, Ed. Loyola, 1998, p. 52).

A Festa da Misericórdia

Há uma passagem do Diário que revela as alegrias do coração de Faustina, tanto por sua participação na obra da Misericórdia quanto pela Festa da Misericórdia. Assim escreveu ela: “Hoje recebi uma carta do Padre Sopocko, pela qual soube que ele pretende mandar imprimir um santinho de Jesus Misericordioso. Pediu-me que lhe enviasse certa oração, que ele quer colocar no verso, se conseguir a aprovação do Arcebispo. Oh! de quanta alegria se enche meu coração por Deus me ter permitido ver essa obra da Sua misericórdia. Oh! quão grandiosa esta obra do Deus Altíssimo! Eu sou apenas seu instrumento. Oh! quão ardentemente desejo ver essa Festa da Misericórdia Divina que Deus está exigindo através de mim, mas se for a vontade de Deus e se ela tiver que ser comemorada solenemente apenas depois da minha morte, eu já agora me alegro com ela e já a comemoro interiormente com a permissão do confessor” (Diário, 711).

O profundo desejo de Santa Faustina era ver a Festa da Misericórdia ser reconhecida pela Igreja. É uma atitude de respeito à vontade de Deus. Esse é, sem dúvida, o segredo de sua serenidade: embora seja uma exigência de Deus, tudo acontece no “tempo de Deus” e não no “tempo dos homens”.

Contudo, seu desejo não deixa de fazer eco no coração do próprio Jesus, que lhe declara: “Pelos teus ardentes desejos, estou apressando a Festa da Misericórdia” (Diário, 1082). Essa intimidade de Santa Faustina com Jesus, a ponto de mover o coração do Senhor, nos surpreende e ensina. Oxalá também nós tivéssemos esse mesmo nível de confiança em Jesus Misericordioso. Como os apóstolos, devemos sempre elevar a Deus, sem descanso, esse clamor: “Senhor, aumenta-nos a fé!” (Lc 17,5).

 

Por: Pe. Ednilson de Jesus, MIC