5º dia: A misericórdia, comunhão interior

A meditação de deste 5º dia do retiro 15 dias de oração com Santa Faustina, nos fala sobre a comunhão interior com Deus, quando os corações se compreendem mutuamente. Nossas meditações são apoiadas nos escritos do Diário de Faustina Kowalska. Que Deus abençoe você que está rezando conosco e buscando um aprofundamento na espiritualidade da misericórdia.

 

Trecho do Diário

“Nesses momentos, quando me encontro interiormente com Deus, sinto-me tão feliz que não sei expressá-lo.” (Diário, 411)

“Sinto, nitidamente, como o Vosso divino Sangue circula no meu coração; não existe a menor dúvida de que com esse Vosso Preciosíssimo Sangue entrou no meu coração o Vosso mais puro amor. Sinto que residis em mim com o Pai e o Espírito Santo, ou antes, sinto que eu vivo em Vós, ó Deus inconcebível. Sinto que me dissolvo em Vós, como uma gota no oceano. Sinto que estais no meu exterior e no meu interior, sinto que estais em tudo o que me cerca, em tudo o que me acontece. Ó meu Deus, eu Vos conheci no interior do meu coração e Vos amei acima de tudo o que existe na terra ou no céu. Os nossos corações entendem-se mutuamente.” (Diário, 478)

O que aprendemos com Santa Faustina

Santa Faustina que não desejava escrever o seu Diário, pois achava que havia pobreza em suas palavras para descrever a sua experiência espiritual. No entanto ela nos deixou em seus relatos uma grandiosa obra de esperança, que transborda a bondade de Deus e que nos ensina a nos abrir à comunhão interior com o Senhor.

Através dos seus escritos Santa Faustina nos comunica sua alegria de encontrar o inexprimível amor de Jesus e viver com Ele. A Irmã experimenta a presença de Deus nas profundezas de seu ser, e ao mesmo tempo experimenta esta presença no seu exterior. Faustina se descobre como que “entranhada” por Seu amor. Trata-se de dois corações que se compreendem mutuamente.

Santa Faustina deseja partilhar esta felicidade com todos os seres humanos. Seus escritos permanecem com a importante missão de convidar a todos a experimentar no dia a dia e no centro de nossa rede de relações, a maneira de amar de Deus.

Medite sobre isso, você tem se deixado moldar segundo o amor de Deus? Você tem dado disponibilidade ao Senhor para que Ele habite o seu interior cumulando-o com Sua infinita bondade?

No dia 13 e 14 de setembro do ano de 1935, Faustina recebe de Jesus a oração do Terço da Misericórdia, e diz a ela: pela recitação desse terço aproximas a humanidade de Mim” (Diário, 929).

Quando recitam esse Terço (…) aplaca-se a ira de Deus, a misericórdia insondável envolve a alma e abrem-se as entranhas da Minha misericórdia, movidas pela dolorosa Paixão de Meu Filho.” (Jesus para Santa Faustina – Diário, 811)
As entranhas da Minha misericórdia comovem-se por aqueles que recitam este Terço.” (Jesus para Santa Faustina – Diário, 848)

 

A Irmã gostava de recitar este terço, que evoca a Paixão e o amor de Cristo, como compromisso definitivo e insuperável da misericórdia de Deus no mundo. Para ela, a oração a ajuda a tomar consciência da sua relação com nosso Senhor.

Oh, se todos conhecessem como é grande a misericórdia do Senhor e como todos nós precisamos dela, especialmente nessa hora decisiva. (Diário, 812)

Minha oração hoje: Ó Jesus, oculto no Santíssimo Sacramento do Altar, meu único amor e misericórdia, recomendo-Vos todas as necessidades da minha alma e do meu corpo. Vós podeis ajudar-me, porque sois a própria Misericórdia; em Vós está toda a minha confiança. (Diário, 1751)

 

Fonte: Fonte: Patrice Chocholski, Editora Paulinas.