6ª palestra do 19º Congresso da Divina Misericórdia

Na sexta-feira, 13 de novembro, dentro da programação do 19º Congresso da Divina Misericórdia, aconteceu a sexta palestra formativa – com a participação da Irmã Zélia Garcia, CR, que meditou o tema “A Misericórdia e a filiação divina”, do livro do Padre Miguel Sopoćko: A Misericórdia de Deus em Suas obras (pág. 85-100 da 1ª edição / 89-104 da 2ª edição).

“O próprio Espírito se une ao nosso Espírito, atestando que somos filhos de Deus” (Rm 8,16).

“Pela graça santificante o homem se torna filho adotivo de Deus. A adoção consiste em acolher gratuitamente uma pessoa desconhecida como filho e herdeiro. A pessoa adotada não tem parentesco em relação à pessoa que a acolhe, não é seu filho natural. Além disso, a adoção é completamente gratuita, ou seja, a pessoa adotada não tem, por méritos próprios, nenhum direito à filiação. Disso, podemos conhecer quão grande é a misericórdia de Deus, que elevou os seres racionais à dignidade de filiação divina.” (pág. 85 da 1ª edição / 89 da 2ª edição).

 “Como é maravilhoso ver que temos um Pai”, com essas palavras a Irmã Zélia iniciou a sua formação, que desenvolveu lembrando a carta de Isaías 43. “A Palavra de Deus nos recorda o amor de um Pai que nos acalma, um Pai que verdadeiramente nos assume como parte Dele, parte da Sua vida. Somos filhos de Deus, amados por Ele. Quando lemos esta carta de Isaías 43, entramos numa experiência de profundo amor”.

A Irmã ensina que se uma pessoa que tem a convicção de que ela possui uma mãe, que se chama Virgem Maria – uma mãe que deu gratuitamente seu filho Jesus pela nossa salvação, então ela não precisa ter medo ou pânico.

Dando continuidade em sua explicação sobre filiação – viver o que diz no livro do Padre Miguel Sopoćko, “é entender que tenho uma casa definitiva, e por excelência sou herdeira desta graça. No dia do meu Batismo, o Espírito Santo veio me dar a garantia de que eu tenho um Pai e sou uma filha herdeira de tudo o que há no céu”, expressou.

O Padre Miguel também explica que Deus elevou a alma do homem ao estado sobrenatural. No Batismo, o cristão católico se torna filho de Deus e herdeiro para viver a vida de acordo com a vontade de Deus, sem medo.

“Deus, no entanto, transforma a alma do homem, elevando-a a um estado sobrenatural, fazendo-a semelhante a Si mesmo e permitindo que ela viva e possa se saciar daquela felicidade de que goza o próprio Deus.” (pág. 85 da 1ª edição / 89 da 2ª edição).

Pela graça de Deus nos tornamos filhos, herdeiros da felicidade de Deus. “Assim, eu posso antecipar o meu céu aqui na Terra. Quando eu vivo o estado de graça e renuncio o pecado, eu antecipo o meu céu. E quando passamos a viver este céu de forma sobrenatural, de um filho amado, que tem a vida como um presente dado por Deus, que cuida de mim, então eu não preciso ser escrava do mundo”.

Para viver de acordo com aquilo que o Pai ensina, a Irmã explica como devemos proceder: ler a Palavra de Deus, viver da Palavra e meditar diariamente. Deixe que esta filiação se transforme interiormente em uma verdade, em uma segurança. “A misericórdia nos dá a graça de enxergar e de experimentar o amor filial de um Pai, que não veio para me dar algumas coisas, mas veio para me dar tudo.”

Concluindo a sua formação, a Irmã Zélia apontou o trecho: “Eu vos concederei a misericórdia, e ele terá misericórdia de vós” (Jr 42,12). “Esta misericórdia de Deus me prepara a viver o céu nesta Terra, me ensina que eu tenho um Deus de Misericórdia – tem o poder de me devolver a paz a todos os instantes, e de me preparar para um dia viver no paraíso.”

“Foi para isso que viemos ao mundo, para viver a mais bela experiência deste Pai. Deus é o nosso Salvador. Busque o Senhor enquanto ele se deixa encontrar. Deus é paciente e misericordioso e não se cansa de esperar a minha conversão”, finalizou a Irmã.

 

Você pode assistir a palestra na íntegra clicando abaixo.