Infância espiritual de Santa Faustina

Porque quero ensinar-te a infância espiritual. Quero que sejas muito pequena, porque, quando és pequena, Eu te carrego junto ao Meu Coração, da mesma maneira como tu neste momento Me seguras junto ao teu coração — Nesse momento fiquei sozinha, mas ninguém compreenderá a emoção da minha alma. Eu estava tão mergulhada em Deus — como uma esponja jogada no mar…” (Diário, 1481)

Muitas vezes, durante o Diário de Santa Faustina, Jesus aparece a Santa Faustina como uma criança. Isso pode parecer estranho no começo, até que você entenda o raciocínio Dele.

Jesus quer que nos lembremos de que nosso relacionamento com Ele não de igual para igual, nem uma relação entre mestre e escravo. Somos crianças sob o cuidado parental Dele.

Disposição Infantil

Um bebê mal sabe o que está acontecendo. Ele não pode se alimentar ou planejar o futuro. Um bebê não consegue nem mesmo se acalmar em meio ao estresse. Uma criança depende inteiramente de seus pais para todas as suas necessidades.

Há uma grande diferença entre o relacionamento entre pais e filhos e nosso relacionamento com Jesus. Enquanto as crianças confiam instintivamente em seus pais, nós podemos optar por cuidar de nós mesmos. E quando fazemos isso, quando tentamos ser autossuficientes, vacilamos. O bebê, portanto, serve como um modelo da pessoa que precisamos tentar nos tornar diante de Deus.

Infância de Aprendizagem

Embora Jesus queira nos render a Deus e à Sua Providência, isso representa um grande desafio para nós. Ao longo dos anos, nos acostumamos a dispensar nossa necessidade do cuidado parental de Deus, confiando orgulhosamente em nós mesmos.

Mas Jesus aparecendo como um bebê para Santa Faustina nos ensina algo semelhante a desaprender o que aprendeu.

Graças ao pecado original, aprendemos a confiar em nós mesmos, dispensando o cuidado paternal de Deus. Tudo começou quando Eva escolheu comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Satanás a convenceu de que Deus estava retendo algo dela que ela precisava ter. A serpente disse a ela: “Porque Deus sabe que quando você come dela … você será como Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gn 3: 5). Ao comer o fruto proibido, Eva não recebe nenhum conhecimento sobrenatural. Em vez disso, ao afirmar sua própria relutância em confiar em Deus, ela cai da graça e leva a humanidade ao pecado.

Portanto, devemos desaprender o hábito de desconfiança que Eva nos transmitiu. Isso só leva a conflitos. Podemos fazer isso moldando tudo o que fazemos com a firme convicção de que Deus está sempre fornecendo para nós exatamente o que precisamos.

Quando descartamos a Providência de Deus, quando tentamos fazer as coisas por conta própria, só precisamos nos lembrar de voltar para Deus e pedir a graça da rendição.

 

Minha oração: Jesus, ajude-me a perceber todas as maneiras doentias que aprendi a me distanciar de você. Ajude-me a lembrar que sou pequena e incapaz de realizar qualquer coisa sozinha. Acima de tudo, ajuda-me a confiar e receber a alegria e a paz que Tu queres me dar.

 

Fonte: Divine Mercy