Misericórdia no tempo de COVID-19

Todos os dias, ao que parece, temos mais notícias da propagação de uma doença de som estranho. Todos os dias, notícias de quarentenas, escolas fechadas, interrupções cada vez maiores no funcionamento comum do mundo.

É o suficiente para alarmar a alma mais calma – mas somos chamados a algo diferente. Como cristãos católicos, somos chamados à virtude. Mais especificamente, somos chamados a viver as virtudes cardeais e teológicas, tanto nos bons quanto nos maus momentos. Essas virtudes são:

Cardeais

Prudência

Temperança

Justiça

Fortaleza

 

Teológicas

Esperança

Caridade / Amor

 

Vamos analisá-los e ver como eles nos guiam na crise atual.

Prudência

Razão; simplesmente não reaja. Dê uma olhada nos riscos, nas notícias e pense no que você deve fazer, dados os deveres do seu estado de vida e os recursos disponíveis para você.

Temperança

Não entre em pânico. Essa mensagem é repetida por especialistas do governo e médicos. A melhor coisa que você pode fazer é não entrar em pânico. Ao mesmo tempo, a apatia diante de uma epidemia real também não é uma boa resposta. Esteja preparado, mas não exagere.

Justiça

Quais são as suas obrigações? Por quem você é responsável? Como você se certifica de fazer justiça a essas responsabilidades?

Fortaleza

Leva-nos a perseverar diante das dificuldades. Você precisa de coragem para enfrentar uma provação e superá-la.

Nossa força não é apenas natural; também é sobrenatural. Afinal, somos cristãos chamados a confiar em Jesus através de todas as coisas, boas e más. Devemos olhar para toda essa situação à luz da fé, e permitir que essa luz nos mostre mais do que nossa prudência natural.

Esperança

Porque temos fé, temos uma esperança que muitos de nossos vizinhos não compartilham. Conhecemos o resultado final da história da humanidade: uma grande vitória por amor e bondade, levando à eterna bem-aventurança. Por esse motivo, todas as crises e desafios atuais podem ser vistos sob uma luz diferente. O mal pode ter sua hora, mas o Senhor terá seu dia e para a eternidade.

Caridade / Amor

Surgindo de todas as virtudes, nossa resposta precisa ser completamente animada pelo amor: amor a Deus e ao próximo; amor pelos enfermos; amor por nossas famílias e amigos que estão ameaçados por esse vírus ou mesmo por já suportá-lo; amor pelos que não têm a mesma fé e esperança de que somos abençoados; amor por aqueles que estão sob suspeita ou preconceito por causa dessa epidemia.

Nosso modelo para responder a essa pandemia deve ser todos os cristãos que enfrentaram crises e deram um testemunho extraordinário da caridade cristã. Desde a época em que os cristãos cuidavam das vítimas da peste na Roma antiga até os atuais hospitais e instalações médicas cristãs em todo o mundo. Os cristãos têm se destacado por irem a lugares onde as doenças são mais virulentas para cuidar dos doentes, enterrar os mortos e fornecer toda a ajuda possível.

Santa Faustina demonstrou esse tipo de serviço corajoso aos pobres e necessitados. Ela também recebeu quando sofria da tuberculose, doença que acabou tirando sua vida. Em todas as coisas, ela nos ensina que devemos orar: “Jesus, eu confio em Vós”. Devemos nos recusar a dar lugar ao medo. Devemos permanecer nas virtudes, nos arrepender quando caímos e nos voltarmos repetidamente para o nosso amoroso Senhor, ao transmitir esse amor e misericórdia às pessoas ao nosso redor.

 

Jesus disse a Santa Faustina:

Exijo de ti atos de misericórdia que devem decorrer do
amor para Comigo. Deves mostrar-te misericordiosa com os outros
sempre e em qualquer lugar. Tu não podes te omitir, desculpar-te ou
justificar-te. (Diário de Santa Maria Faustina, 742).

Enquanto o mundo enfrenta esta epidemia global, vamos nos voltar com confiança para a Divina Misericórdia. Vamos nos comprometer com a oração – especialmente o Terço diante da Imagem da Divina Misericórdia – por todos os que sofrem com esta doença, por todos os que cuidam deles e por todos os responsáveis ​​que lidam com esta crise.

Sejamos virtuosos em nossa resposta a esse surto, discernindo prudentemente a melhor maneira de cumprir os deveres de nosso estado na vida com temperança, coragem e justiça. Lembremo-nos de nossa fé, contando com a esperança que ela nos dá e, assim, somos livres para amar verdadeiramente a Deus e ao próximo com caridade cristã.

 

Jesus eu confio em vós!

Fonte: Chris Sparks – The Divine Mercy