Padre José Jarzebowski e a mensagem da Divina Misericórdia na América

Padre José Jarzebowski, MIC, o homem que exportou a Devoção da Divina Misericórdia da Polônia para o resto do mundo

Os Padres Marianos da Imaculada Conceição assumiram a devoção à Divina Misericórdia desde 1941, quase três anos após a morte de Santa Faustina Kowalska, a “secretária” da Divina Misericórdia.

O escritor e vice-postulador para a causa de canonização de Santa Faustina, Padre Seraphim Michalenko, MIC, gosta de dizer: “A mensagem e devoção da Divina Misericórdia é o maior movimento popular na história da Igreja Católica”.

Mas como chegamos a assumir o papel de promotores oficiais da mensagem e devoção da Divina Misericórdia?

Publicações no Brasil desde 1982

Com a morte de Faustina em 1938, seu diretor espiritual, o bem-aventurado Padre Miguel Sopoćko, tornou-se o portador de fato de suas revelações. Com os nazistas avançando do oeste e os soviéticos avançando do leste, Padre Sopoćko fez uma das transferências mais importantes da história católica – dando materiais chave sobre as revelações de Faustina a um Padre Mariano que estava tentando sair da Europa.

Esse Padre, Joseph Jarzebowski jurou que se fosse para a América, promoveria a Divina Misericórdia pelo resto de sua vida.

Em 1940, o sacerdote mariano Padre Joseph Jarzebowski, MIC (1897-1964), embarcou em uma viagem perigosa da Polônia para os Estados Unidos. O destino da mensagem da Divina Misericórdia na América estava em suas mãos.

Uma jornada angustiante

No outono de 1940, Padre Jarzebowski tentou, sem sucesso, renovar seu visto americano. Nesta altura ele tinha uma Novena à Divina Misericórdia e uma cópia da imagem da Divina Misericórdia com ele. Apesar de seu visto para a América ter expirado, ele foi em frente e tentou obter uma autorização de saída dos soviéticos.

Milagrosamente, ele recebeu a licença.

Uma viagem da Sibéria ao Japão foi organizada. Pouco antes de partir, ele foi visitar o Padre Sopoćko em Vilnius, que lhe disse para pegar um memorando que ele havia escrito sobre a devoção à Divina Misericórdia. No dia seguinte, Padre Jarzebowski celebrou uma Santa Missa diante da imagem original da Divina Misericórdia, que Nosso Senhor pediu a Santa Faustina que pintasse e divulgasse por todo o mundo.

O Padre Jarzebowski confiou o caminho à Divina Misericórdia. Ele viajou para Kaunas, na Lituânia, durante a noite e saiu de trem na Quarta-feira de Cinzas, 26 de fevereiro de 1941, às 15h – Hora da Grande Misericórdia. Cada trem tinha dois membros do NKVD – Polícia secreta da União Soviética (a antiga KGB), e eles incomodavam o Padre Jarzebowski sobre não ter um visto de trânsito japonês. Ele disse que estava esperando por ele em Vladivostok. E então continuou.

Em Vladivostok, ainda havia a necessidade de obter um visto japonês, e ele teria que mostrar a eles seu visto americano vencido. Apesar de o Consulado do Japão fechar às 15h e eles chegaram depois das 15h, um advogado judeu chamado Bialogorski defendeu que permanecessem abertos. O Padre Jarzebowski orou a Jesus Misericordioso. O consulado decidiu dar o visto. Eles inspecionaram seu visto vencido (ele não deu a parte com a data de vencimento) e o acharam em ordem. O selo foi passado para o visto japonês.

Quando ele estava embarcando no navio, ele soube que a alfândega estava confiscando cruzes e livros. Ele orou a Jesus para salvar seus materiais da Divina Misericórdia. Foi mais um momento tenso.

O oficial tirou o breviário de papai de uma bolsa e olhou dentro dele. Ele não tinha certeza do que fazer com isso, mas achou os cartões de oração encantadores e decidiu deixar tudo passar. Ele marcou aquela sacola com giz e depois marcou uma segunda sacola contendo materiais da Divina Misericórdia. Ele nem se preocupou em olhar para dentro!

O navio para o Japão estava superlotado. Havia 500 pessoas a bordo e acomodação para apenas 80. Demorou dois dias e duas noites para chegar ao Japão. Enquanto permaneceu no Japão, Padre Jarzebowski deu um retiro para os franciscanos em Nagasaki.

Ele chegou a Seattle em maio de 1941, sete meses antes do ataque japonês a Pearl Harbor, e de lá fez seu caminho para Washington, DC, firmemente convencido de que o Salvador Misericordioso o havia levado com segurança através de milhares de milhas até seus irmãos nos Estados Unidos.

De Washington, DC, o Padre viajou para Michigan. Depois de um retiro que dirigiu para as Irmãs Felicianas em Enfield, Connecticut, Padre Jarzebowski perguntou às irmãs se elas iriam imprimir em polonês a Novena da Divina Misericórdia, a Ladainha e o Terço.

Esta modesta edição em preto e branco – 2 mil exemplares ao todo – esgotou rapidamente, e não muito depois, como o Padre Michael Gaitley, MIC, afirma em sua compilação da história da Congregação, “agradecimentos à Divina Misericórdia começaram a chegar. Esse derramamento levou outros marianos na América a se dedicarem a espalhar a devoção”.

Diário de Santa Faustina em outros idiomas
Polonês                       Inglês                        Inglês                       Italiano                    Espanhol

No noviciado da Imaculada Conceição em Stockbridge, o Padre Jarzebowski estabeleceu o Apostolado da Divina Misericórdia. O Apostolado cresceu e hoje é o Santuário Nacional da Divina Misericórdia, nos EUA.

O Padre Jarzebowski permaneceu dois anos nos Estados Unidos, trabalhando com as comunidades marianas e promovendo a devoção da Divina Misericórdia. Em seguida, ele trabalhou entre exilados poloneses no México e depois na Inglaterra, onde organizou escolas e programas culturais em Hereford e Fawley Court.

Ele tinha apenas 66 anos quando morreu em 13 de setembro de 1964. O corpo de Jarzebowski foi enterrado no cemitério mariano em Fawley Court, Inglaterra.

O Padre Jarzebowski é lembrado até hoje de forma especial como o homem que exportou a Devoção da Divina Misericórdia da Polônia para o resto do mundo.

 


Sobre a publicação do Diário

 A devoção de Jesus Misericordioso sofreu uma grande prova, como profetizou a Irmã Faustina.

“(…) Virá o tempo em que esta obra, que Deus tanto recomenda, será como que totalmente destruída – e, depois disso, a ação de Deus se manifestará com grande força, dando testemunho da verdade” (Diário, 378).

No ano de 1959, a Santa Sé proibiu a divulgação do culto de Jesus Misericordioso nas formas propostas pela Irmã Faustina.

A proibição terminou quando, na cidade de Cracóvia, Polônia, começou o processo de beatificação da Irmã Faustina. Naquela oportunidade foram examinados todos os escritos de Irmã Faustina e não se encontrou nenhum erro. A Santa Sé, no ano de 1978, retirou a proibição e abriu o caminho para que um dia o Diário pudesse ser editado. Poucos meses depois, o cardeal de Cracóvia, Karol Wojtyła, foi escolhido como chefe da Igreja Católica do mundo adotando o nome de João Paulo II. João Paulo II, tendo o auxílio dos escritos da Irmã Faustina, no dia 30 de novembro de 1980, publica a encíclica sobre a Misericórdia de Deus, chamada Dives in misericordia.

Somente no ano 1981 foi feita a primeira edição do Diário. Esta edição foi conjunta: das Irmãs de Nossa Senhora Mãe de Misericórdia e da Congregação dos Padres Marianos, dos Estados Unidos. Esta primeira edição serviu como modelo (edição típica) para que se fizessem no mundo inteiro outras versões linguísticas.

 

 

Fonte: marian.org | padrimariani.org | thedivinemercy.org