Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós

“Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia
de nós e do mundo inteiro”

(Diário, 476)


Neste mês de setembro celebramos no dia 13 mais um ano em que Jesus citou a oração do terço que chamamos da Misericórdia a Santa Faustina. Este terço é um meio de aproximar os homens a fonte da Misericórdia. É Jesus se colocando entre nós e Deus e suplicando: olha para a humanidade através das minhas chagas, pois nelas está contido todo o Amor que tens para elas.

Este terço traz uma grande força, se rezado com confiança, pois Jesus disse que nada negaria àqueles que o rezassem. “Minha filha, exorta as almas a rezarem esse Terço que te dei. Pela recitação deste Terço agrada-Me dar tudo o que Me peçam” (Diário, 1541). E até mesmo recomendou a Faustina: “Os sacerdotes o recomendarão aos pecadores como a última tábua de salvação. Ainda que o pecador seja o mais endurecido, se recitar este Terço uma só vez, alcançará a graça da Minha infinita misericórdia. Desejo que o mundo todo conheça a Minha misericórdia. Desejo conceder graças inconcebíveis às almas que confiam na Minha misericórdia” (Diário, 687).

Que desejo maior teria Jesus senão o de que a humanidade possa se aproximar da fonte da Misericórdia. Pois, o que impede de lhe conceder as graças não são os pecados, mas a desconfiança de que Deus é bom e Misericordioso. “Escreve isto para as almas atribuladas: Quando a alma vir e reconhecer a gravidade dos seus pecados, quando se abrir diante dos seus olhos todo o abismo da miséria em que mergulhou, que não se desespere, mas antes se lance com confiança nos braços da Minha misericórdia, como uma criança no abraço da sua querida mãe” (Diário, 1541).

Tantas vezes no Diário Jesus pede a Santa Faustina para que reze este terço diante dos agonizantes, pois está é a última luta da alma, e ela decidirá se acolherá a Misericórdia ou se a negará. “Escreve que, quando recitarem esse Terço junto aos agonizantes, Eu Me colocarei entre o Pai e a alma agonizante não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso” (Diário, 1541).

Que este mês nos ajude a fazer desta oração tão simples um meio de aproximar a Humanidade desta fonte, e que cada recitação de “PELA SUA DOLOROSA PAIXÃO”, seja nossa súplica por cada ser que ainda não conhece tão grande Misericórdia.

Irmãs de Jesus Misericordioso.