Por que a Divina Misericórdia é tão importante?

O Senhor deixa claro nas Escrituras que quando Ele voltar, Ele não vai lidar com o pecado, porque Ele já fez isso de uma vez por todas. Quando Ele vier novamente, é para “trazer salvação àqueles que o esperam ansiosamente” (Hb 9:28).

Então, quando as pessoas me perguntam por que a mensagem da Divina Misericórdia é importante para o mundo hoje, a resposta é simples: através da mensagem da Divina Misericórdia, nosso Senhor está nos preparando para a Sua vinda final.

Ele disse à grande profeta da Divina Misericórdia, Santa Maria Faustina, em uma das suas revelações na década de 1930: “A humanidade não encontrará paz enquanto não se voltar com confiança para a Minha misericórdia” (Diário de Santa Faustina, 300).

Helena Kowalska, conhecida hoje em todo o mundo como Santa Maria Faustina (1905-1938), foi designada por Nosso Senhor como a “Secretária” e “Apóstola” de Sua Misericórdia. O Senhor lhe disse: “Prepararás o mundo para a Minha última vinda” (Diário, 429).

A missão que o Senhor lhe deu não era apenas lembrar ao mundo a grande misericórdia de Deus revelada na Sagrada Escritura, mas também nos ensinar novas formas de devoção à Divina Misericórdia e iniciar um movimento de apóstolos da Divina Misericórdia que mostre uma confiança infantil em Deus e amor ao próximo.

Revelação privada

Ainda assim, algumas pessoas não prestam atenção à mensagem da Divina Misericórdia porque ela vem por meio de uma “revelação privada”. Mas é importante lembrar o que São Paulo disse: que a Igreja é construída sobre o fundamento dos apóstolos e profetas (ver Efésios 2: 19-22). Então Santo Agostinho e São Tomás, depois dele, identificam os profetas da Igreja como as pessoas que recebem revelações privadas.

Mas por que Deus recorre a revelações privadas? O padre Karl Rahner, SJ, o grande teólogo alemão que escreve sobre revelações privadas, disse que todos os mistérios da Igreja, juntos, não podem ser enfatizados de uma só vez – e no mesmo grau. Então, de vez em quando, segundo ele, o Espírito Santo coloca em evidência um mistério particular que a Igreja e o mundo precisam prestar atenção especial em um determinado momento.

Revelações proféticas

Por que o Papa João Paulo II recomendou enfaticamente que prestássemos atenção à mensagem e devoção da Divina Misericórdia dada ao mundo através de Santa Faustina? Claramente, ele fez isso porque ele viu isso mais do que apenas uma coleção de “revelações privadas”; antes, ele as via como revelações proféticas. Em outras palavras, revelações que nos foram dadas por Deus para proclamar o coração do Evangelho de uma maneira especialmente adequada para atender às necessidades de nossa era.

Agora, 114 anos se passaram desde o nascimento da nossa querida Santa, em 25 de agosto de 1905. E em 5 de outubro, faz 81 anos desde a sua partida para tomar o lugar destinado a ela, perto de Deus. No entanto, nós que desejamos estar prontos e “esperamos ansiosamente por Ele” não devemos esquecer sua promessa para nós: “Pobre terra, eu não esquecerei você”, ela escreveu. “Embora sinta que imediatamente mergulharei toda em Deus como num oceano de felicidade. Isso não será obstáculo para que eu volte à terra, encoraje as almas e as estimule à confiança na misericórdia divina. Pelo contrário, essa submersão em Deus me dará uma possibilidade ilimitada de agir“. (Diário, 1582).

Que nossa ida cada vez mais profunda na vida e escritos de Santa Faustina, e nossa contribuição na ajuda prometida, produza o que nosso Senhor tanto deseja de nós e precisa de nós para poder cumprir Sua vontade divina: confiança ilimitada Nele que é a misericórdia divina infalível em pessoa.

 

** O Padre Seraphim Michalenko, MIC, serviu como vice-postulador para a América do Norte na causa de canonização de Santa Maria Faustina.

 

 

Por Pe. Serafim Michalenko, MIC.
Fonte: Divine Mercy