Reflexão sobre a Festa do Batismo do Senhor

Antes de João Batista entrar em cena, nenhum judeu jamais se submeteria a ser batizado. O batismo foi destinado a prosélitos que entraram no judaísmo de outra fé e precisavam ser purificados de suas vidas de pecado.

Como os judeus se consideravam o povo escolhido, nenhum deles havia imaginado sua própria necessidade de batismo. Eles se consideravam limpos. Mas João Batista estava trabalhando neles. Sua pregação ardente e estilo de vida extremo chamaram a atenção de muitos. Mas o mais importante, o Espírito de Deus estava sobre ele. Portanto, ele convenceu milhares a se submeterem ao batismo como um sinal de arrependimento pessoal e como uma maneira de se preparar para a vinda do Reino de Deus na terra.

O estudioso das escrituras William Barclay disse: “Pela primeira vez em sua história nacional, os judeus perceberam seu próprio pecado e sua própria necessidade de Deus. Nunca antes houve um movimento nacional tão singular de penitência e busca por Deus. Este era o exato momento pelo qual Jesus estava esperando. ”

Mais judeus do que nunca estavam vendo a verdade de que, para serem salvos, precisavam de mais do que o sangue de Abraão correndo em suas veias. Eles precisavam mudar a maneira de viver e seguir a Deus com um coração sincero.

Jesus não queria nada além de incentivar esse movimento. Portanto, mesmo que Ele não precisasse dEle mesmo, como diz nesta leitura do Evangelho (Mt 3,13-17), ele se submeteu a este pré-sacramento:

João protestou, dizendo: “Eu preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim?” Jesus, porém, respondeu-lhe: “Por enquanto deixa como está, porque nós devemos cumprir toda a justiça!” E João concordou. 

No trecho 1286 do seu Diário, Santa Faustina escreve:

Agradeço-Vos, Deus, pelo santo batismo, que me introduziu na família de Deus: é um dom grande e inconcebível da graça que transforma as nossas almas.

A família da qual nos tornamos parte através do batismo é a Santíssima Trindade (Catecismo da Igreja Católica, 1239). Isso está implícito nas seguintes linhas deste evangelho:

Depois de ser batizado, Jesus saiu logo da água. Então o céu se abriu e Jesus viu o Espírito de Deus, descendo como pomba e vindo pousar sobre ele. E do céu veio uma voz que dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus o meu agrado”.

Há muito que podemos aprender sobre a Santíssima Trindade. Mas, finalmente, a Santíssima Trindade é um mistério, além da compreensão. O Catecismo da Igreja Católica diz:

O mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É o mistério de Deus em si mesmo. E, portanto, a fonte de todos os outros mistérios da fé e a luz que os ilumina. (234).

Não é de admirar que Santa Faustina tenha tido problemas para descrever o dom do batismo. Tem a ver com o mistério central da vida cristã, o mistério central de Deus.

Sempre que pedimos perdão, em certo sentido, renovamos nossos votos batismais.

Assim como uma semente precisa do solo para crescer a partir da terra, o Espírito de Deus precisa de um fundamento através do qual cresça em nós, e esse fundamento é um coração penitente. Quando dizemos “não” ao pecado e “sim” à Santíssima Trindade, cooperamos com nossa graça batismal, dando ao Senhor permissão para trabalhar em nós e através de nós de uma maneira que supera nossa compreensão.

 

Fonte: The Divine Mercy