Santa Faustina: primeiras virtudes

 

O dia 5 de outubro marca o 81º aniversário da morte de
Santa Faustina e sua entrada na vida eterna

 

Aqueles que são devotos fortes da Divina Misericórdia e Santa Faustina, talvez já saibam bastante sobre sua vida. Em homenagem a memória da Irmã Faustina, vamos mergulhar um pouco mais em sua vida para descobri-la de uma forma que talvez nunca tenhamos feito antes. Que ela interceda por nós e nos revele mais do mistério do amor e da misericórdia de Deus.

Marianna e Stanislaus Kowalska, pais de Santa Faustina, casaram-se em 1892. Durante 10 anos, não puderam conceber nenhum filho. Então, em 1902, tiveram seu primeiro filho, Josephine, e um ano depois outro filho, Eve. Eram gravidezes difíceis e Marianna quase morria a cada vez. Então, em 25 de agosto de 1905, nasceu Helena. O parto foi suave e Marianna não teve complicações.

Quase como um milagre depois daquela gravidez, Marianna teve mais sete bebês. No total, Marianna teve dez filhos em um período de 18 anos. Duas das filhas morreram na infância, mas seis filhas e dois filhos sobreviveram.

Sua família morava em uma fazenda. Seu pai cultivava e também possuíam animais – porcos, galinhas e vacas. A igreja paroquial ficava a dois quilômetros de distância e só tinha uma missa. Aos domingos, isso causava um problema. Quem ficaria em casa para cuidar das vacas e deixá-las pastar? Helena decidiu acordar cedo antes da missa e sair pela janela para não acordar ninguém. Ela levou as vacas para pastar. A primeira vez que ela tentou isso, no entanto, seu pai acordou, saiu e não avistou nenhuma das vacas.

Apavorado que os ladrões tivessem roubado seu gado, ele correu para o quintal. Ele ficou chocado ao ver a pequena Helena trazendo as vacas de volta do pasto.

Além disso, as vacas andavam entre seus dois campos de trigo, mas não comiam uma única cabeça de cereal. Em vez disso, eles estavam contentes com a grama crescendo além do caminho. Durante muito tempo na área local, isso foi considerado “milagroso”, porque parecia uma força invisível que deixava as vacas contentes com grama em vez de trigo.

Em outro ponto da vida da família, o dinheiro estava tão apertado, que nem todas as crianças tinham roupas adequadas para a missa de domingo. As meninas tiveram que dividir vestidos, pois, infelizmente, não havia vestidos suficientes para todas, então uma teria que ficar para trás. Helena costumava ser a única a se oferecer para ficar em casa para que os outros pudessem ir.

Casa de Santa Faustina em Glogowiec

Ela se retirava para um canto no jardim com um grande livro de devoções e orações, e permaneceria lá até que a missa terminasse na igreja paroquial. Sua mãe às vezes a chamava enquanto ela estava em oração, mas ela não recuava nem respondia. Assim que as orações terminassem, ela correria para a mãe e pediria desculpas, dizendo que Jesus ficaria zangado se ela não cumprisse esse dever de suas orações de domingo. Helena fazia isso toda vez que precisava ficar em casa depois da missa. Era a virtude de ser obediente a Deus primeiro e depois aos pais.

Helena não só tinha um coração obediente por Deus e seus pais, ela também tinha um grande amor pelos pobres. Sua irmã mais velha, Josephine, pode compartilhar essa lembrança:

“Quando Helena tinha cerca de 10 anos, ela decidiu obter dinheiro para os pobres, assim como eles. Vestiu-se de farrapos e percorreu a vila de casa em casa, fazendo uma prece e pedindo esmolas. Ela voltou para casa muito deprimida dizendo: “Os pobres têm uma vida terrível. Quanto eles têm que suportar para conseguir comida para eles mesmos”.

Em outra ocasião, ela fez pequenos presentes com pedaços de pano e papel e os vendeu para arrecadar dinheiro para o padre da paróquia distribuir aos pobres.

Essas histórias da jovem vida de Santa Faustina mostram que o Senhor já estava trabalhando dando-lhe a graça da santidade. Nunca devemos subestimar o que as criancinhas são capazes e que virtudes podem praticar. Mas mesmo para aqueles que não são mais crianças, podemos fazer o que Jesus nos disse: para ter o coração de uma criancinha.

 

Vamos aprender com o exemplo de Santa Faustina e ser obedientes a Deus, altruístas no amor, fiéis na oração e ter amor e cuidado pelos pobres.

Oração a Santa Faustina

Santa Faustina, você nos disse que sua missão continuaria depois da sua morte e que não nos esqueceria (Diário, 281, 1582). Nosso Senhor também lhe concedeu um grande privilégio, dizendo-lhe para “distribuir graças como quiser, a quem você quiser e quando quiser” (Diário, 31). Confiando nisso, peço sua intercessão pelas graças de que preciso, especialmente (aqui menciono suas intenções especiais). Ajude-me, acima de tudo, a confiar em Jesus como você fez e assim glorificar a Sua misericórdia em todos os momentos da minha vida. Um homem.

 


Fonte: Divine Mercy