Exercício espiritual: Virtude heroica de Santa Faustina

 

“[Os] santos sempre foram a fonte e a origem da renovação nas circunstâncias mais difíceis da história da Igreja.” – São João Paulo II

 

O exercício espiritual desta semana envolve virtudes heroicas em nossas vidas. Vamos nos aprofundar na virtude heroica e no que podemos aprender com a constatação de Ir. Faustina de que ela precisava lutar por isso. Ela também aprendeu que, por mais fraca que fosse, Deus a apoiaria.

 

Vamos começar com um pouco de conhecimento sobre o que exatamente é uma virtude heroica na vida espiritual.

O servo de Deus, arcebispo Fulton Sheen, disse que a diferença entre Judas e Pedro é que Pedro se tornou um santo “porque venceu sua fraqueza com a ajuda da graça de Deus“. Em outras palavras, Pedro respondeu à graça e, assim, tornou-se capaz de virtude heroica. Todos os santos canonizados pela Igreja foram elevados às honras do altar por causa de uma vida de virtude heroica. O Dicionário Católico define virtude heroica como: “A realização de ações virtuosas extraordinárias com prontidão e durante um período de tempo. As virtudes morais são exercidas com facilidade, enquanto a fé, a esperança e a caridade são praticadas em um grau eminente. A presença de tais virtudes é exigida pela Igreja como o primeiro passo para a canonização. A pessoa que praticou virtude heroica é declarada Venerável e é chamada de ‘Servo de Deus’.”

O padre John A. Hardon, SJ, ensinou regularmente a importância de praticar a virtude heroica. Ele disse que era uma questão de sobrevivência. “Para os pais católicos viverem boas vidas católicas em nossos dias, exige virtude heroica. Somente pais heroicos sobreviverão à secularização maciça e demoníaca de países materialmente superdesenvolvidos como a América.”

O que “virtude heroica” tem a ver conosco?

Bem, bastante. Somos chamados a vidas de santidade. Somos chamados – todos nós – a nos tornarmos santos. A Igreja ensina: “Ao canonizar alguns dos fiéis, ou seja, proclamar solenemente que eles praticavam virtude heroica e viviam em fidelidade à graça de Deus, a Igreja reconhece o poder do Espírito de santidade dentro dela e sustenta a esperança dos crentes, propondo para eles os santos como modelos e intercessores. ‘Santidade’ é a fonte oculta e a medida infalível de sua atividade apostólica [da Igreja] e zelo missionário ‘[São João Paulo II, Christi deles Laici, n. CL 17, 3]” (CIC, 828, ênfase no original).

Santa Faustina registrou em seu Diário que “sentia o olhar de Deus” em sua alma. Ela ficou imediatamente cheia de amor e entendeu que Deus estava se aproximando de seu coração por causa de suas virtudes e esforços heroicos. Ela escreveu: “Compreendi que não é suficiente que eu busque apenas as virtudes comuns, mas que procure exercitar-me nas virtudes heroicas.” (Diário, 758).

 

Dependendo de Deus, não de nós mesmos

A Irmã Faustina aprendeu que era essencial confiar em Deus em tudo e não depender de sua própria força. Ela sabia que era fraca – às vezes extremamente fraca. Durante algumas vezes em que as dúvidas e o desânimo brigavam dentro de seu coração e alma, ela percebeu que Deus fortaleceu sua vontade, que ela disse que a protegeu contra “as tentativas do inimigo”, que foram “quebradas como se fossem contra uma rocha”. Ela explicou: “Vejo quanta graça atual Deus me concede, amparando-me incessantemente. Sou muito fraca e devo tudo apenas à graça de Deus” (Diário, 1086).

Uma vez, Ir. Faustina estava trabalhando duro em uma virtude específica. Ela escreveu: “Eu caí no vício oposto a essa virtude dez vezes mais frequentemente do que em outros dias”. Mais tarde naquela noite, ela refletiu sobre por que isso poderia ter acontecido. Ao ponderar, ouviu Jesus dizer a ela: “Contaste muito contigo e pouco Comigo” (Diário, 1087). Ela então entendeu seu problema. Certamente também podemos nos beneficiar disso!

 

Finalmente, um padre que acredita nela!

No último capítulo, discutimos que, quando Ir. Faustina se aproximava de seus votos finais, foi enviada ao convento em Walendow para um retiro silencioso de três dias. Pouco antes disso, Jesus disse a Ir. Faustina para contar ao padre no retiro todas as suas dúvidas. “Eu te responderei pela boca dele“, disse Jesus. “E então cessarão os teus receios” (Diário, 169). Ele também disse a ela para manter um silêncio estrito. É difícil alguém manter um silêncio completo, especialmente quando as irmãs que a Ir. Faustina não via há algum tempo estavam lá. Uma deles quase a levou a falar em voz alta quando apareceu sem aviso prévio na cela de Santa Faustina. A Ir. ficou quieta. Dando uma espiada em Ir. Faustina, a outra irmã deu meia-volta e saiu, mas não antes de lançar algumas palavras ruins à Faustina.

Apesar desse momento constrangedor e também um pouco estranho depois de ver a irmã que se opusera a ela, Ir. Faustina finalmente experimentou uma sensação de alívio no decorrer do retiro. O Pe. Edmund Elter, professor de ética, homilética e retórica da Universidade Gregoriana de Roma, lideraria o retiro.

Diretor espiritual experiente, ele seria o primeiro sacerdote a discernir os estados místicos de Ir. Faustina e reconhecer que suas experiências não eram ilusões. Sabendo o que Jesus esperava dela, Ir. Faustina decidiu que devia confiar no sacerdote durante o retiro e revelar a ele sua vida espiritual secreta. Porém, antes que ela pudesse contar, o maligno apareceu torturando Ir. Faustina com dúvidas e confusão. Uma batalha começou em seu cérebro quando Satanás a atormentou com dúvidas. “Jesus!” ela gritou em sua alma. O padre entrou naquele momento. Ele deu uma breve conferência e, em seguida, Ir. Faustina foi direto ao confessionário.

Em palavras que eram música para seus ouvidos, Pe. Elter a confirmou em sua missão espiritual e assegurou-lhe que as revelações vinham de Deus. “Fique inteiramente tranquila. Jesus é seu Mestre, irmã, e a convivência da irmã com Ele não é histeria nem fantasia ou ilusão. Saiba, irmã, que está no caminho certo”, disse ele (Diário, 174). Ele lhe disse para ser fiel às graças que Jesus estava lhe dando, e que ela não estava livre para evitá-las. Ele a aconselhou a ser inabalavelmente dedicada à santa missão que lhe foi confiada e instou-a a orar por um bom diretor espiritual. Ele lhe disse que ela não precisava contar a seus superiores sobre as graças interiores, a menos que Jesus lhe dissesse que o fizesse. Mesmo assim, ela deveria primeiro consultar seu confessor.

Foi a primeira vez que um padre confirmou a autenticidade da missão de Ir. Faustina. Ao deixar o confessionário, ficou cheia de paz e imensa alegria. A paz imediata da alma era exatamente como Jesus havia dito que era, e Ir. Faustina sentiu-se surpresa por ter duvidado em primeiro lugar. Ela rapidamente se retirou para uma área tranquila do jardim para derramar seu coração a Deus em segredo. “A presença de Deus invadiu-me de súbito e, por um instante, todo o meu nada mergulhou em Deus. Nesse momento senti, ou melhor, discerni as Três Pessoas Divinas que residem em mim” (Diário, 175).

Algo a Ponderar

Para poder praticar virtudes heroicas, de acordo com Bento XIV, devemos “já estar purificados de todo apego às coisas mundanas e solidamente ancorados no amor de Deus”. Eu diria que temos nosso trabalho destacado para nós – cada um de nós em nosso próprio estado de vida. Deus certamente fornecerá muitas oportunidades para lutarmos pela santidade e permitir que Ele nos purifique para que possamos exercer as virtudes heroicas. Você já deve ter notado, mas acredito que, ao continuar sua peregrinação com Santa Faustina, certamente observará repetidas vezes a prática das virtudes heroicas desta jovem irmã.

Reserve um tempo nesta semana para refletir sobre sua vida espiritual. Você está lutando pela virtude heroica? Você coloca a sua força em Deus e não nas suas próprias habilidades? Por que ou por que não?

Uma ação misericordiosa

Reflita sobre maneiras pelas quais você pode crescer em virtude e como pode impressionar os outros sobre a necessidade de crescer em virtude. Você poderia com gentileza afastar os outros das fofocas em casa ou no local de trabalho? Você poderia ajudar os outros a ficarem mais atentos às necessidades dos pobres ao seu redor? Inúmeras oportunidades nos cercam. Ore por realizar ações misericordiosas. Peça a nossa Mãe da Misericórdia e Santa Faustina para ajudá-lo.

 

UMA ORAÇÃO DE MISERICÓRDIA POR ESTA SEMANA

(Para rezar todos os dias desta semana)

Querido Jesus Misericordioso, ajude-me a confiar em Ti e não em minhas próprias forças. Abra meus olhos para ver que Tu me ofereces oportunidades em minha vida diária para se voltar para Ti e praticar virtudes heroicas. Maria Mãe, rogai por mim. Santa Faustina, por favor, interceda por mim. Jesus, eu confio em Vós! Amém.

 

 

Fonte: Trecho do livro Marian Press 52 Semanas com S. Faustina
de Donna-Marie Cooper O’Boyle. – The Divine Mercy.