Imagine se você fosse Padre Sopoćko, confessor de Santa Faustina

A fim de compreender a vida de Santa Maria Faustina Kowalska e a notável difusão de devoção à Divina Misericórdia em todo o mundo, é importante começar aprendendo a história de outra pessoa primeiro: um padre chamado Michael Sopoćko, que foi beatificado em 28 de setembro de 2008, em Bialystok, Polônia.

Este padre, enérgico e respeitado, foi nomeado para ser o confessor habitual do convento das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, em Vilnius, no ano de 1933. Foi aí que ele conheceu a freira que o mundo conhece hoje como Santa Maria Faustina Kowalska, ou “apóstola da divina misericórdia”.

 

O trecho a seguir é do livro Divina Misericórdia: de Gênesis a Bento XVI (Marian Press), de Robert Stackpole, STD:

Um dia, quando o Padre Sopoćko estava ouvindo confissões no convento, uma irmã entrou no confessionário com o nome de Irmã Faustina do Santíssimo Sacramento. O padre Sopoćko ouvira suas confissões antes e admirava sua honestidade e seu amor por Jesus. Mas desta vez ele ficou completamente impressionado com o que ela tinha contado. Ela disse a ele:

À noite, quando me encontrava na minha cela, vi Nosso Senhor vestido de branco. Uma das mãos erguida para abençoar, enquanto a outra tocava-Lhe a túnica sobre o peito. Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e o outro pálido. Em silêncio, eu contemplava o Senhor. A minha alma estava cheia de temor, mas também de grande alegria. Logo depois, Jesus me disse: Pinta uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós. Desejo que essa Imagem seja venerada primeiramente na vossa capela e depois no mundo inteiro. (…) Prometo que a alma que venerar essa Imagem não perecerá. (…) Ofereço aos homens um vaso, com o qual devem vir buscar graças na fonte da misericórdia. O vaso é a Imagem. (…) Por meio dessa Imagem concederei muitas graças às almas. (Diário, 47-48, 327, e 742).

 

Neste ponto da história, ajuda se imaginar no lugar do Padre Sopoćko. A Irmã Faustina estava em seu confessionário escrevendo esta história sobre uma aparição do Senhor Jesus, e Jesus supostamente estava pedindo uma nova imagem de Si mesmo para ser pintada e venerada em todo o mundo. O padre Sopoćko fez a pergunta óbvia: ela poderia pintar? Não, ela disse, ela não podia pintar – e mesmo que pudesse pintar, como poderia disseminar a imagem “pelo mundo”, como Jesus havia ordenado? Afinal, ela era uma irmã religiosa, limitada principalmente ao convento. A coisa toda parecia terrivelmente improvável. Como resultado, Padre Sopoćko não estava inclinado a acreditar nela a princípio. Ele se perguntou se ela poderia estar imaginando coisas, ou se ela havia simplesmente interpretado erroneamente a mensagem do Senhor para ela.

Então a situação piorou.

A irmã religiosa contou-lhe mais tarde que um de seus confessores anteriores não acreditava nela, mas que Jesus lhe dissera que não se preocupasse, porque Ele enviaria a ela um confessor que a ajudaria a cumprir a vontade de Deus nesses assuntos. De fato, Jesus lhe dera uma visão desse padre, e o padre naquela visão parecia com ele – Padre Sopoćko – e foi por isso que ela estava confiando todas essas coisas para ele agora.

Além disso, Jesus não queria apenas que uma nova imagem de si mesmo fosse pintada e difundida em todo o mundo, Ele também queria uma nova festa no calendário litúrgico: uma festa da Divina Misericórdia, a ser celebrada no primeiro domingo depois da Páscoa pela Igreja inteira.

Mais uma vez, podemos nos imaginar na situação do Padre Sopoćko. Por um lado, ele sabia muito bem que o Senhor, em raras ocasiões, dava revelações e profecias privadas extraordinárias às almas escolhidas para o bem de toda a Igreja. No século XVII, por exemplo, como vimos, Santa Margarida Maria recebeu do próprio Jesus as revelações especiais de Seu Sagrado Coração. Essas revelações tinham a intenção de reacender nos corações dos fiéis uma apreciação de Seu amor ardente e terno pelas almas, em uma época de um racionalismo árido.

Por outro lado, Padre Sopoćko sabia que, para cada revelação ou profecia autêntica, há muitas falsas. Além disso, dadas as óbvias dificuldades práticas em cumprir os supostos pedidos do Senhor desta vez, as probabilidades pareciam todas contra a autenticidade no caso da Irmã Faustina.

Por isso, Padre Sopoćko fez o que qualquer padre devoto e prudente faria em tal circunstância: indagou sobre o caráter de Irmã Faustina com os superiores de sua ordem religiosa e também a enviou a um psiquiatra para um exame completo de saúde mental.

Acontece que o psiquiatra que examinou Ir. Faustina deu uma opinião positiva de que ela estava em perfeita saúde mental. Além disso, as referências dos superiores de Irmã Faustina também foram extremamente positivas. Eles disseram ao Padre Sopoćko que Ir. Faustina (Helena Kowalska) foi criada em uma família de camponeses. Embora ela tivesse amado muito seus pais, sem a permissão deles e sem um centavo em seu nome, ela viajou para Varsóvia para seguir uma vocação na vida religiosa.

A irmã Faustina tinha encantado quase a todos por causa de sua alegria, sua sinceridade e sua natureza trabalhadora. “Ela é uma criança feliz de Deus“, disse um dos seus superiores. De fato, seus superiores sabiam que ela tinha uma devoção especial a Jesus na Eucaristia (daí seu nome religioso escolhido: Ir. Faustina do Santíssimo Sacramento), e eles também ajudaram a guiá-la através da “noite escura da alma”. Então eles sabiam que ela tinha uma vida mística profunda e rica também. Em resumo, eles consideraram Faustina como uma irmã extraordinária e modelo.

O Padre Sopoćko foi então dilacerado por si mesmo. Evidentemente, essa irmã que relatara a ele essas revelações extraordinárias de Jesus Cristo não era apenas perfeitamente sensata; ela também era uma das freiras mais orantes e virtuosas da ordem. O que ele poderia fazer?

Ele decidiu guardar o julgamento. Ele orou por mais luz. Ele também a colocou em teste. No entanto, ela estava sempre disposta a obedecê-lo, e ela lhe disse que Jesus ordenara expressamente que ela se confiasse completamente a sua direção espiritual.

Depois Padre Sopoćko fez uma coisa muito sensata, pela qual as gerações futuras serão sempre gratas. Ele pediu a Ir. Faustina que começasse a escrever, num diário, todas as conversas entre ela e o Senhor, desde os primeiros movimentos da vida espiritual. Isso ela fez sob obediência, embora achasse muito difícil se expressar por escrito, já que tinha apenas três anos de educação formal. Como resultado, ela escreveu de maneira muito clara e sem ornamentos, como uma criança.

No entanto, Padre Sopoćko ficou cada vez mais surpreso com o que ela estava escrevendo. Alguns anos depois, ele escreveu:

Fiquei espantado que ela, uma simples freira, com quase nenhuma educação, e sem tempo para ler obras ascéticas, pudesse falar tão conscientemente de questões teológicas, como o mistério da Santíssima Trindade, ou a Divina Misericórdia, e outros atributos de Deus, com a perícia de um teólogo consumado (como citado na biografia de Santa Faustina por Maria Tarnawska, Santa Irmã Faustina: Sua Vida e Missão, 4a edição, p. 425).

Em página após página, o Diário de Santa Faustina proclama a mensagem do amor misericordioso de Deus como o coração do Evangelho. Não foi um novo ensinamento, claro. É apenas uma nova expressão e um foco claro no centro da fé católica: a bondade amorosa e a compaixão de Deus. Em revelações particulares registradas em seu Diário, Jesus havia falado com suas palavras como estas:

Diz, Minha filha, que sou puro Amor e a própria Misericórdia. (…) Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de Mim, ainda que seus pecados sejam como o escarlate. (…) A Minha misericórdia é maior que as tuas misérias e as do mundo inteiro. (…) Por ti permiti que fosse aberto pela lança o Meu Sacratíssimo Coração e, assim, abri para ti uma fonte de misericórdia. Vem haurir graças dessa fonte. (…) As graças da Minha misericórdia colhem-se com um único vaso — que é a confiança. Quanto mais a alma confiar, tanto mais receberá. (Diário, 1074, 699, 1485, 1578).

A vida devocional da Irmã Faustina foi motivada por seu sincero desejo de depositar sua total confiança na misericórdia do Senhor em todos os aspectos da vida. Para ela, Jesus era “Misericórdia Encarnada”, e o Senhor lhe dera uma missão: proclamar esta mensagem da Divina Misericórdia em todo o mundo, especialmente divulgando a Imagem da Misericórdia e a celebração da Festa da Misericórdia. Além disso, essa devoção era para ser um novo chamado para ela e para todas as pessoas, para serem misericordiosas umas com as outras. Jesus disse a ela:

Minha filha, olha para o Meu misericordioso Coração e reflete a Sua compaixão em teu próprio coração e em tuas ações, para que tu mesma, que anuncias ao mundo a Minha misericórdia, sejas a primeira a arder com ela. (Diário, 1688).

 


 

Robert Stackpole, STD, é diretor do João Paulo II – Instituto da Divina Misericórdia.
Fonte: thedivinemercy.org