Lectio Divina: Então, tu és rei?

A Igreja celebra no último domingo do Ano Litúrgico (dia 25) a Solenidade de Cristo Rei

 

 

∙ Procure um local silencioso, coloque-se em uma postura confortável, acalme-se, respire fundo.

∙ Peça que o Espírito Santo ilumine sua mente e seu coração, para bem acolher a Palavra de Deus.

. Procure em sua Bíblia o Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 18,33b-37.

 

1 – Leitura (Lectio)

Leia o texto sugerido (João 18,33b-37). Releia-o, atualizando em sua mente a cena narrada.

No texto evangélico que acabamos de ler, Jesus se encontra em uma situação muito desagradável – a de acusado – diante de Pilatos, como se quisesse se passar por rei do povo judeu. Pilatos, procurador romano, interroga Jesus: “Tu és o rei dos judeus?”, Jesus, após o interrogatório, com muita humildade esclarece: “O meu reino não é deste mundo”. Pilatos disse: “Então, tu és rei?”. Jesus não nega ser rei, mas esclarece qual é o seu Reinado: “Dar testemunho da verdade”.

2 – Ruminação (Ruminatio)

Em que consiste o poder de Jesus Cristo Rei? Seu reinado é diferente de todos os reinados que já existiram, que existem ou existirão, e, por isso, Ele não foi compreendido, não é, e não será por muitos. Jesus tem o poder divino, capaz de derrotar as forças do inferno, do domínio da morte que rodeia os filhos de Deus. É o poder do amor, que nos eleva de toda miséria, amor que é fonte de nossa felicidade, e no qual todos somos imersos; amor que é consolo para os corações atormentados, única esperança dos desesperados, repouso dos corações, paz em meio ao terror; enfim, é o amor que desperta a confiança onde não há esperança, como experimentou Santa Faustina.[1]

Há tanta gente dando falso testemunho, e isso é prova de não estar unido a Jesus, que veio para dar testemunho da verdade. Quem está aberto ao verdadeiro amor, escuta, acolhe e guarda com fé os ensinamentos de Jesus. Ele disse: “Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz”. Escutemo-la!

Releia a passagem do Evangelho, confrontando-a com a tua vida.

3 – Oração (Oratio)

Examinando sua consciência com liberdade, responda: “Quem eu quero seguir? Deus ou o maligno? A verdade ou a mentira?”. Se a resposta for “Deus” e “a verdade”, podemos continuar o exercício espiritual chamado “Lectio Divina”, ou Leitura Orante da Palavra de Deus.

Rezemos juntos: “Senhor Jesus, meu Senhor e meu Deus, meu Rei, eu vos peço, reine na minha vida, em todo o meu ser, em meu corpo, meus sentidos, meus afetos, meus relacionamentos, minha família, reine em todas as áreas da minha vida”. Você poderá continuar este diálogo de oração com Jesus, apresentando a Ele tudo aquilo que necessita do Seu Reinado.

4 – Contemplação (Contemplatio)

 De maneira muito especial, olhamos para a Virgem Maria, Nossa Senhora Rainha dos Anjos, dos Patriarcas, dos Profetas, dos Apóstolos, dos Confessores, das Virgens, dos Mártires, de todos os Santos, da Paz, concebida sem pecado original e elevada aos céus. Nossa Senhora é a Nossa Rainha e intercede por nós!

Neste último passo da nossa Lectio Divina, com o seu interior em silêncio, reze a oração do Pai-Nosso. Em seguida, vá repetindo interiormente: “Venha a nós o vosso Reino” – “Adveniat regnum tuum”.

[1] Conf. Diário de Santa Faustina, n. 949 – Editora Apostolado da Divina Misericórdia, Curitiba-PR.

 


Por Pe. Gabriel Maria Mãe da Misericórdia, FGMC
Mosteiro da Divina Misericórdia, para a Revista Divina Misericórdia ed. 63.