“A unidade é superior ao conflito” destaca Papa Francisco no seminário virtual sobre os efeitos da pandemia na América Latina

(Créditos: Reprodução – Vatican News)

Um seminário virtual aconteceu nesta quinta-feira (19), promovido pela Pontifícia Comissão para a América Latina, pela Pontifícia Academia das Ciências Sociais e pelo Conselho Episcopal Latino-americano. Durante o evento América Latina: Igreja, Papa Francisco e os cenários da pandemia, os participantes puderam refletir os desafios da crise da covid-19 através de uma videomensagem do Papa Francisco.

O Pontífice afirmou que a pandemia do coronavírus intensificou os problemas socioeconômicos e as injustiças já presentes na América Latina. Além disso, muitas pessoas não têm os recursos necessários para cumprir as medidas de proteção ao vírus como um local seguro para o distanciamento social, produtos de higiene e um trabalho estável. O Papa destacou que a sociedade irá sofrer com os efeitos da pandemia durante muito tempo. Porém, segundo o Santo Padre, o Reino de Deus já começa neste mundo e o pão chega para todos e há fartura.

“No Reino de Deus, o pão chega a todos e é farto; e a organização social se baseia em contribuir, compartilhar e distribuir, não em possuir, excluir e acumular. Por isso, todos somos chamados, individual e coletivamente, a realizar nosso trabalho ou missão com responsabilidade, transparência e honestidade“.

Papa francisco

Para o Papa Francisco, a pandemia revelou o melhor e o pior dos povos e de cada pessoa. Mas, agora, é o momento de recuperar a consciência da pertença comum. “O vírus nos lembra que a melhor maneira de cuidar de nós mesmos é aprendendo a cuidar e proteger aqueles que estão perto de nós: consciência da vizinhança, consciência da aldeia, consciência regional, consciência comum do lar” afirma o Pontífice.

O Santo Padre afirmou que diante das dificuldades da crise da covid-19, os povos latino-americanos são povos com alma, pois souberam enfrentar com coragem os problemas. “Desta crise podemos sair melhor, e muitos de nossos irmãos e irmãs testemunharam na dedicação diária de suas vidas e nas iniciativas que o Povo de Deus gerou” aponta o Papa.

“A profundidade da crise exige, proporcionalmente, o auge da classe política dominante capaz de levantar os olhos e dirigir e orientar as diferenças legítimas na busca de soluções viáveis ​​para nossos povos.”

papa francisco

O Sumo Pontífice salientou que na América Latina há a capacidade de progredir no descrédito do outro, discutindo a corrupção em tempos de pandemia. Dessa maneira, os mais pobres sofrem no processo. “É tempo que a marca distintiva daqueles que foram ungidos pelos seus povos para os governar seja o serviço do bem comum e não o bem comum ser colocado a serviço dos seus interesses” disse o Papa.

Por fim, o Pontífice recomendou pedir a Nossa Senhora de Guadalupe que cuide da América Latina. Ele recorda que “a unidade é superior ao conflito”. “Que o seu manto de Mãe e Mulher, nos abrigue num só povo que, lutando pela justiça, pode dizer: «Ajudou Israel, seu servo, lembrando-se da sua misericórdia, como prometeu aos nossos pais» ( Lc 1,54-55)”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *