Memória litúrgica de Santa Faustina Kowalska

5 de outubro — Às 22h45, irmã Maria Faustina Kowalska falece. Após longos sofrimentos suportados com grande paciência, regressa ao seu Senhor de quem há de receber a recompensa.

“Não temas, Minha filha, não estás sozinha. Luta com coragem, porque o Meu braço te ampara. Luta pela salvação das almas, exortando-as à confiança na Minha misericórdia, porque esta é a tua tarefa nesta vida e na futura.” (Diário de Santa Faustina, 1452).

Deus, em sua infinita bondade e misericórdia, dá a cada um uma missão especial, que com a Sua ajuda somos capazes de realizar.

Coube a Santa Faustina a missão muito especial e honrosa, mas também muito difícil, de espalhar pelo mundo a devoção à Divina Misericórdia. Por isso, Ele dá forças à Santa Faustina dizendo-lhe: Não temas. Minha filha, não estás sozinha. Luta com coragem, porque o Meu braço te ampara. Luta pela salvação das almas, exortando-as à confiança na Minha misericórdia, porque esta é a tua tarefa nesta vida e na futura.” (D.1452)

Santa Faustina se entrega, com todo o empenho de sua alma, a essa importante missão, apesar de sentir em si tanta incerteza e incapacidade.

Uma grande parte das revelações trata-se de modo especial sobre a devoção à Misericórdia Divina, dada por Jesus especialmente para os dias nos quais vivemos.

Nelas, Jesus manifesta enorme desejo de que as almas se voltem para Ele, com humildade, reconhecendo suas culpas, para que Ele manifeste a elas a Sua misericórdia.

Para que o mundo pudesse se beneficiar de tanta bondade, era necessário promover e divulgar essa devoção, conforme pedia o próprio Jesus. Esta grande missão acarretou à Santa Faustina inúmeros sofrimentos, pois nem sempre fora compreendida pelos que a cercavam. Até que Nosso Senhor lhe concedeu, em 1933, um confessor sábio e prudente, o Padre Miguel Sopoćko. Ele a aconselhou e ajudou durante anos, guiando-a em suas dúvidas e dificuldades. 

Após um tempo,esgotada fisicamente pela enfermidade e os sofrimentos que oferecia como sacrifício voluntário pelos pecadores, unida intimamente com Deus morreu em Cracóvia no dia 5 de outubro de 1938, com apenas 33 anos.

A fama da santidade de sua vida foi crescendo junto com a propagação da devoção à Divina Misericórdia e à medida das graças alcançadas por sua intercessão.

Entre os anos 1965-1967, em Cracóvia, foi levantado o processo informativo sobre sua vida e suas virtudes. Em 1968 é formalmente aberto, em Roma, o Processo de beatificação da Serva de Deus Irmã Faustina, concluído em dezembro de 1992.

Em 20 de abril de 2000, na Praça de São Pedro, em Roma, o Papa São João Paulo II canonizou a Irmã Maria Faustina Kowalska.

Irmãs de Jesus Misericordioso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *