Misericórdia Divina e o Comandante de Auschwitz

Neste dia 27 de janeiro lembra-se o 75º aniversário da libertação do campo de concentração nazista de Auschwitz. Com isso em mente, temos uma história poderosa para compartilhar.

Embora o comandante do campo de concentração de Auschwitz, Rudolf Höss, tenha supervisionado o assassinato de milhões de pessoas inocentes durante a Segunda Guerra Mundial, no final, mesmo seus pecados terríveis não foram maiores que a misericórdia de Deus.

Höss nasceu em 1900 em Baden-Baden, na Alemanha, de pais católicos estritos. Seu pai queria que ele se tornasse padre, mas após a morte de seu pai, Rudolf decidiu se juntar às forças armadas alemãs.

‘A solução final’

No início dos anos 20, depois de ouvir Adolf Hitler falar em Munique, (Alemanha), Höss renunciou à sua fé católica e se tornou um dos primeiros membros do Partido Nazista. Primeiro, ele serviu alguns anos no campo de concentração de Dachau. Em 1940 ele foi nomeado o primeiro comandante de Auschwitz, no que se tornaria um dos maiores campos da morte na história do mundo. O líder da SS Heinrich Himmler encarregou Höss de realizar em Auschwitz a “Solução Final”, o completo extermínio de todos os judeus na Europa.

Embora Höss tenha negado ter matado alguém com sua própria mão, ele foi responsável por agilizar o processo de execução, introduzindo o veneno letal Zyklon B, que permitiu o assassinato de até 2.000 pessoas por hora.

Um assassino calmo

Apesar de supervisionar a execução de milhões, relatos de testemunhas oculares identificaram Höss como alguém que sempre parecia calmo. Ele morava em uma casa com sua família a poucos metros do crematório de Auschwitz, beijava sua esposa todas as manhãs antes do trabalho e colocando seus cinco filhos na cama à noite.

Rudolf Höss com a mulher, Hedwig, e os filhos

Após a guerra, Höss escreveu:

O gás foi realizado nas celas de detenção do Bloco 11. Protegido por uma máscara de gás, eu mesmo assisti ao assassinato. Nas celas lotadas, a morte chegou instantaneamente no momento em que o Zyklon B foi lançado. Um grito curto, quase sufocado, e tudo acabou. … Devo até admitir que esse gás deixou minha mente em repouso, pois o extermínio em massa dos judeus começaria em breve.

Também sob a vigilância de Höss, no porão do bloco 11, o prisioneiro número 16770 foi encarcerado em uma cela de fome antes de morrer por injeção letal. Aquele prisioneiro era o padre e mártir São Maximiliano Kolbe.

Qualquer senso de santidade, no entanto, estava longe da mente de Höss neste momento.

Durante esses mesmos anos, no entanto, Höss conheceu um padre que provaria ter um impacto nele. A Gestapo prendeu vários jesuítas que moravam em Cracóvia (Polônia), e os enviou a Auschwitz. O superior da comunidade, Pe. Władysław Lohn, SJ, estava ausente no momento da prisão. Quando ele descobriu o que aconteceu com seus irmãos religiosos, ele se esgueirou até Auschwitz para encontrá-los. Quando os guardas notaram o Pe. Lohn, eles o levaram a Höss para decidir seu destino. Impressionado com a bravura do Pe. Lohn, Höss libertou o padre, ileso.

O fim e um novo começo

Depois que a guerra terminou e Höss foi capturado, ele foi denunciado no Tribunal Militar Internacional de Nuremberg e condenado à morte. Após sua sentença, Höss aceitou seu destino e não pediu clemência. Tendo passado algum tempo em uma prisão polonesa, Höss experimentou algo que levaria a uma conversão de coração. Ele escreveu:

Nas prisões polonesas, experimentei pela primeira vez o que é a bondade humana. Apesar de tudo o que aconteceu, experimentei um tratamento humano que nunca poderia ter esperado e que me envergonhou profundamente.

Na prisão, Höss percebeu que tudo pelo que havia vivido, trabalhado e matado era baseado em uma ideologia falha e ele se arrependeu. Ele disse:

Eu infligi feridas terríveis à humanidade. Causei sofrimento indizível ao povo polonês em particular. Eu devo pagar por isso com a minha vida. Que o Senhor Deus perdoe um dia o que eu fiz.

Na sexta-feira Santa, 4 de abril de 1947, aguardando a execução, Höss pediu para ver um padre católico. As autoridades tiveram dificuldade em encontrar um padre que falasse alemão, mas Höss se lembrou do nome de um deles: Pe. Władysław Lohn, o jesuíta que ele havia poupado uma vez.

Embora tenha levado muitos dias, os captores de Höss finalmente encontraram Pe. Lohn localizado na vizinha Cracóvia. Ele estava orando no Santuário da Divina Misericórdia, onde Santa Faustina, a irmã religiosa polonesa e mística responsável por espalhar a devoção à Divina Misericórdia, foi descansada.

Assim, em 10 de abril de 1947, quinta-feira após a Páscoa, três dias antes do domingo da Divina Misericórdia, Pe. Lohn ouviu a Confissão de Höss. No dia seguinte, sexta-feira, Höss recebeu a Comunhão. Depois, ele se ajoelhou em sua cela e chorou.

Em 16 de abril, Höss foi enforcado do lado de fora das câmaras de gás que ele construíra em Auschwitz. O relatório oficial de sua morte dizia que Höss permaneceu “completamente calmo até o fim e não expressou desejos finais”.

“Foi uma luta difícil”, escreveu Höss no final. “Mas encontrei novamente minha fé em meu Deus.”

Fonte: The Divine Mercy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *