Papa Francisco: na imitação da Sagrada Família, somos chamados a redescobrir o valor educacional da unidade familiar

Foto: Vatican News/Vatican Media

O Papa Francisco refletiu sobre a Sagrada Família de Jesus, Maria e José, neste domingo (27), durante o Angelus, na Biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano. O Pontífice relembra sobre o fato de que o Filho de Deus queria, como todas as crianças, ter a presença de uma família. Dessa forma, por ser a família de Deus é a família modelo, do qual todas as pessoas podem encontrar uma referência segura. “Em Nazaré a primavera da vida humana do Filho de Deus brotou, no momento em que Ele foi concebido pela obra do Espírito Santo no ventre da virgem de Maria”, destaca o Santo Padre. Segundo o Papa, foi dentro dos muros hospitalares da Casa de Nazaré que a infância de Jesus encheu-se de cuidado materno de Maria e de José. 

Na imitação da Sagrada Família, somos chamados a redescobrir o valor educacional da unidade familiar: ela precisa ser fundada no amor que sempre regenera as relações abrindo horizontes de esperança

Papa Francisco

O Pontífice fala que na família será possível vivenciar uma comunhão sincera quando se tem uma casa de oração, em que o perdão e a ternura prevalecem. “Dessa forma, a família se abre para a alegria que Deus dá a todos aqueles que sabem doar com alegria”. O Santo Padre também evidencia que na família encontra-se a energia espiritual necessária para se abrir ao mundo exterior, ao serviço dos irmãos e na construção de um mundo melhor. O Papa explica que em todas as famílias há problemas e brigas. Porém, ele recomenda que em todas as vezes que acontecem as brigas, deve-se fazer as pazes no mesmo dia. “Vou te dizer uma coisa: se brigarmos com a família, esse dia não vai acabar sem fazer as pazes. ‘Sim, eu tive uma briga’, mas antes do fim do dia, faça as pazes. E sabe por quê? Porque a Guerra Fria no dia seguinte é muito perigosa. Isso não ajuda. E então, na família há três palavras, três palavras para manter sempre: ‘permissão’, ‘obrigado’, ‘desculpe’”, diz o Pontífice. A “permissão” para não ser intrusivo na vida dos outros e também para pedir algo. “Obrigado” para agradecer pela ajuda e serviço da casa. “Gratidão é o sangue da nobre alma” destaca o Santo Padre. E “desculpe” para pedir perdão por atitudes ruins. “Se em uma família, no ambiente familiar há essas três palavras, a família está bem”. A Festa da Sagrada Família é um chamado à evangelização, propondo um ideal de amor conjugal e familiar, de acordo com o Papa. O Pontífice finaliza pedindo a intercessão da Virgem Maria para que se tenha famílias de todo o mundo inspiradas na Sagrada Família.  



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *