Vem, Senhor Jesus. Vem, Emanuel

O advento é uma respiração profunda. É a respiração inspirada de um bebê, nascido em um estábulo e deitado em uma manjedoura, pois não há espaço na pousada, assim como nos milênios seguintes não haveria espaço em muitos corações para o bebê, o Filho de Maria. É o fôlego de um povo que se prepara para anunciar boas notícias ao mundo, pois há uma estrela no céu, brilhando de dia e de noite.

E o Advento é um tempo para lembrar, um tempo para recordar o que aconteceu e o que é garantido por Deus, um tempo para olhar para trás na história da salvação e olhar para o amanhecer completo e final de nossa salvação, quando o Sol da justiça se elevará, quando o tempo da misericórdia atingir sua realização, quando todo joelho se dobrar e toda cabeça se curvar a Jesus Cristo, o Senhor.

Enquanto isso, somos chamados a meditar e a receber Jesus em Sua terceira vinda, em Sua Real Presença na Eucaristia, e Sua presença no Corpo Místico de Cristo (a Igreja), e na Palavra de Deus nas Escrituras, e em todos os atos de Deus amar em sustentar, salvar e santificar a criação.

Mas a cultura de consumo que cerca o Natal nos dias de hoje é tal que parece que não temos tempo para uma pausa, uma respiração profunda ou qualquer espaço deixado em nossa cabeça para lembrar os eventos da Encarnação, e muito menos gastar tempo em meditação ou contemplação. Há um barulho sem fim, uma agitação sem fim, uma sucessão sem fim de listas e coisas para fazer. Há multidões, tráfego e agitação.

Então faça uma pausa. Respire fundo e deixe ir.
De novo. Deixe ir.

E preste atenção a Santa Faustina:

“Quase toda solenidade na santa Igreja proporciona-me um mais profundo conhecimento de Deus e uma graça especial, por isso me preparo para cada solenidade e uno-me estreitamente com o espírito da Igreja. Que alegria ser uma filha fiel da Igreja! Oh, quanto amo a santa Igreja e todos os que nela vivem; olho para eles como para membros vivos de Cristo, que é a sua Cabeça. Inflamo-me de amor com os que amam, sofro com os que sofrem, a dor me consome quando olho para os tíbios e ingratos. É nessas ocasiões que procuro dedicar um tal amor a Deus, que seja reparação por aqueles que não O amam, que retribuem a seu Salvador com a negra ingratidão”. (Diário de Santa Faustina Kowalska, 481).

Prepare-se para cada festa da Igreja. Faça uma pausa. Respire fundo. E lembre-se dos eventos que ocasionaram a festa. Lembre-se do Senhor Jesus, como Ele esteve presente nas gerações passadas e estará presente nas gerações vindouras. Louve-O e agradeça por Sua vida e amor eternos. Louve e agradeça a Ele por compartilhá-las conosco, com todo o mundo, se apenas o mundo disser “sim“.

A Igreja, criadora de toda a celebração, não começa a celebrar o Natal até a Vigília do Natal, em 24 de dezembro. O Natal continua até a Festa do Batismo do Senhor. Isso significa que, o tempo de Natal dura de 24 de dezembro a 12 de janeiro.

Vamos nos abrir em oração ao Espírito Santo e Suas inspirações, dons e frutos. Peçamos à Mãe Santíssima e a São José que nos acompanhem enquanto acompanhavam Jesus, guardando-O no ventre de Maria, sustentando Sua humanidade e esperando no amor pelo primeiro Advento. E vamos reservar um tempo para orar pela chegada do Segundo Advento, o Advento Supremo, quando Deus será tudo em todos.

Vem, Senhor Jesus. Vem, Emanuel.


Fonte: The Divine Mercy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *