Santuário inaugura espaço Pacificar é Divino


Na tarde desta quinta-feira (25) estiveram presentes no Santuário da Divina Misericórdia, a 2ª Vice-Presidência do TJ-PR, Desembargadora Lídia Maejima, e seus auxiliares para inaugurar no Santuário o Espaço Pacificar é Divino.

O intuito deste Projeto é abrir para a comunidade ligada às instituições religiosas alternativas consensuais para a solução de conflitos e promover ações pacificadoras em conjunto com o Poder Judiciário.

Questões familiares, de vizinhança, acidente de trânsito e até mesmo questões comerciais podem ser levadas para os Espaços Pacificar. No local, a outra pessoa envolvida no caso é convidada para participar de uma reunião, com o objetivo de resgatar o diálogo e discutir as possibilidades de resolver o conflito. Finalizando o encontro com um consenso entre os interessados, o acordo pode ser redigido e homologado por um Juiz, que agregará ao documento a mesma validade de uma sentença judicial.

O Santuário conta com dois pacificadores, os advogados Leliane Rocha e Gui Antonio de Andrade Moreira, os atendimentos são realizados numa sala disponibilizada pela paróquia, a partir de um prévio cadastro realizado na Secretaria Paroquial. Contato: 3148-3200.

Pacificar é Divino

2ª Vice-Presidência do TJ-PR, Desembargadora Lídia Maejima

Com o objetivo de divulgar a cultura do diálogo, o Programa “Pacificar é Divino” vem sendo desenvolvido pela 2ª Vice-Presidência do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), desde o mês de março de 2017.

Em parceria com a Arquidiocese de Curitiba-PR, na figura do Arcebispo Dom José Antônio Peruzzo, e considerando a importância da religião na vida diária da maioria das pessoas, e, também, o admirável trabalho de aconselhamento espiritual já exercido em muitas comunidades, optou-se por unificar este trabalho na Arquidiocese em conjunto entre o Judiciário Paranaense.

Em Curitiba, além do Santuário da Divina Misericórdia, outras paróquias também fazem parte do Projeto Pacificar, são elas: Paróquia São João Batista; Paróquia Santíssimo Sacramento; Paróquia Nossa Senhora da Paz; Paróquia Nossa Senhora da Luz; Paróquia Senhor Bom Jesus dos Perdões; Paróquia Perpétuo Socorro; Paróquia São Braz; Paróquia Santo Antônio Maria Claret; Paróquia São José Operário e Santuário Nossa Senhora do Carmo.

 A proposta é capacitar líderes religiosos para que se tornem facilitadores de resolução de conflitos em suas comunidades, com a utilização de técnicas autocompositivas repassadas nos cursos de capacitação promovidos pelo TJPR. A partir do atendimento dos facilitadores, poderão ser realizadas reuniões de conciliação dentro das instituições religiosas e o acordo firmado poderá ser levado à homologação judicial.

Segundo informações da 2ª Vice-Presidência do TJ-PR, mais de 20 instituições religiosas, de diferentes denominações, estão engajadas nesse projeto, que busca disseminar as práticas de soluções de conflitos sem a judicialização.

 

Como funciona

O programa funciona a partir da capacitação de religiosos no curso de métodos consensuais de solução de conflitos. Finalizada a capacitação, os religiosos estão aptos a abrir espaços dentro de suas igrejas e templos, os chamados “Espaços Pacificar”. Nestes locais, salas que contam com uma mesa, cadeiras, computador e impressora, são realizadas as reuniões de conciliação, orientações e encaminhamentos. Caso as pessoas envolvidas no conflito cheguem a um consenso durante o atendimento, o facilitador capacitado poderá redigir um acordo e encaminhá-lo para a homologação do Juiz Coordenador do CEJUSC.

Cursos de Capacitação

O início das atividades do Programa concentrou-se em Curitiba, onde foram realizados os três primeiros cursos de métodos consensuais de solução de conflitos e um último para formação de Multiplicadores do Programa Pacificar é Divino. Posteriormente, com a expansão do Programa para Comarcas do interior do Estado, foram ministrados cursos de capacitação em Maringá, Toledo, Londrina e Ponta Grossa.

Atualmente, cerca de 400 (quatrocentos) religiosos já finalizaram a capacitação em todo o Paraná e estão aptos a atender as pessoas que têm algum tipo de conflito e têm interesse em conciliar.
Na capital, 19 multiplicadores já estão começando a formar novas turmas de facilitadores. As demais Comarcas do Estado que manifestaram interesse em desenvolver o Programa estão recebendo o curso de capacitação na modalidade EAD (ensino à distância).

Para participar da capacitação é preciso estar vinculado a alguma instituição religiosa, não precisa ser necessariamente advogado, e apresentar um documento de indicação do líder religioso ou responsável.

Em caso de dúvida envie um e-mail para o endereço: pacificar@tjpr.jus.br

Espaços Pacificar

Os “Espaços Pacificar” são salas, localizadas dentro das instituições religiosas participantes do Programa, para atendimento das pessoas que queiram resolver conflitos. Eles possuem, ao menos, um religioso capacitado em métodos de solução consensual de conflitos, apto a atender e conduzir reuniões de conciliação.

Com informações do Tribunal de Justiça do Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *