Contemplemos a Misericórdia que resplandece sobre o mal

Neste domingo da Festa da Misericórdia, na oração do Regina Coeli, da janela do Palácio Apostólico, o Papa Francisco falou do Evangelho deste domingo, no qual Jesus aparece aos discípulos e, nesta ocasião, estava presente São Tomé. “Jesus volta a apresentar-se no meio deles e se dirige rapidamente a Tomé, convidando-o a tocar as feridas de suas mãos e de seu lado. Vai de encontro à sua incredulidade, para que, através dos sinais da paixão, possa chegar à plenitude da fé pascal”.

O Papa falou de Santo Tomé, quem “não está satisfeito e busca, tem a intenção de ver por si mesmo, quer ter uma experiência pessoal”.

“Depois das resistências iniciais e as inquietudes, ao final ele também chega a acreditar”. Enquanto, Francisco explicou que “ao contato salvífico com as chagas do Ressuscitado, Tomé manifesta suas próprias feridas, suas próprias lacerações, a própria humilhação”. “Se encontra frente a um Messias cheio de doçura, de misericórdia, de ternura” e “reencontrado o contato pessoal com a amabilidade e a misericordiosa paciência de Cristo, Tomé compreendeu o significado profundo de sua Ressurreição e, intimamente transformado, declara sua fé cheia e total nele exclamando: ‘meu senhor e meu Deus!”.

O Pontífice disse que o mesmo que ocorreu a São Tomé “acontece com muitos de nós”. Por isso, “neste segundo Domingo de Páscoa somos convidados a contemplar nas chagas do Ressuscitado a Divina Misericórdia, que supera cada limite humano e resplandece sobre a escuridão do mal e o pecado”.

“Um tempo intenso e prolongado para acolher a imensa riqueza do amor misericordioso de Deus será o próximo Jubileu Extraordinário da Misericórdia, cuja Bula de convocatória promulguei ontem pela tarde na Basílica de São Pedro”, recordou.

O Papa pediu dirigir o olhar ao Senhor e à Virgem Mãe, para que “nos ajude a ser misericordiosos com os outros como Jesus o é conosco”.

Por último, dirigiu uma cordial saudação aos fiéis das Igrejas do Oriente, que, segundo seu calendário, “celebram hoje a Santa Páscoa”. “Me uno à sua alegria pelo anúncio de Cristo Ressuscitado”.

Francisco agradeceu ainda por todas as mensagens que recebeu nestes dias, provindas de todo o mundo, desejando-lhe uma feliz Páscoa.

fonte: ACI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *