Copa do Mundo: Capitão do time polonês conta como vive a sua fé dentro e fora de campo

O jogador e capitão da Seleção Polonesa, Jakub Błaszczykowski é popularmente conhecido pela sua habilidade com a bola e seu amor pelo esporte. Entretanto, o que poucos sabem é da sua trágica história na infância e da sua devoção ao catolicismo.

Błaszczykowski nasceu em Częstochowa, o local mariano mais importante para os poloneses, e com 11 anos viu sua mãe sendo assassinada pelo seu próprio pai. Com a morte se sua mãe e com a prisão de seu pai, o jovem e seu irmão foram criados pela sua avó, uma devota católica, que transmitiu aos garotos a fé e os costumes de ir à Missa, rezar e ler o Evangelho, coisas que o atleta faz até hoje.

Foi graças à fé que ele conseguiu superar a dor do que aconteceu em sua vida. Isso ficou evidente em 2012, quando, pouco antes de começar o campeonato europeu, Jakub se ausentou por razões pessoais. Depois, soube-se que o pai dele – que ele não via desde o dia do homicídio – estava prestes a morrer. O jogador quis se encontrar com ele, para lhe perdoar.

“O que aconteceu quando eu era criança provocou um giro de 180 graus na minha vida. Nunca compreenderei o que aconteceu ou por que aconteceu. Mas essa lembrança vai me acompanhar para o resto dos meus dias. Daria qualquer coisa para ver a minha mãe viva”, confessou o atleta.

Atualmente, Błaszczykowski está muito envolvido em obras de caridade da Igreja Católica e é uma espécie de embaixador da Cáritas polonesa. Ele organiza festas entre padres e atletas de elite para angariar fundos aos necessitados. Todos os anos, presenteia as organizações católicas com camisetas de times autografadas pelos jogadores. Os uniformes são leiloados.

O capitão da Polônia, que é casado e pai de uma menina, participou de iniciativas de evangelização, como o National Reading Day. Em 2011, marcou presença na campanha “Eu não tenho vergonha de Jesus”, organizada pelos poloneses em resposta a alguns estudantes que pediram que as escolas superiores retirassem os crucifixos pendurados nas paredes dos prédios educacionais.

Em um vídeo, o atleta afirmou:

Entendo que a fé seja uma questão pessoal, mas para mim é algo muito importante. Com a grande fé que eu vivo cotidianamente e com a grande convicção de que Cristo ajuda a nossa vida todos os dias, quero encorajar as pessoas a não se esquecerem daquilo que é mais importante para nós, ou seja, a fé e a oração”.

O atacante polonês, Robert Lewandowski, que atualmente joga no Bayern de Munique e é amigo de Błaszczykowski ,também participou da iniciativa, dizendo:

“Sei que Deus está comigo. Quando se fala de fé, sabemos que a vida moderna e o mundo todo estão indo muito velozmente. Frequentemente, esquecemos os nossos valores e o que é verdadeiramente mais importante para nós. No que diz respeito a mim, esta fé me ajuda em campo e fora dele, fazendo com que eu seja um homem bom e que cometa menos erros.”

Fonte: Aleteia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *