Nos EUA Marcha pela Vida conta com imagens de Jesus Misericordioso

Na 46ª Marcha pela Vida anual, que aconteceu em 18 de janeiro, em Washington, D.C (EUA), Dave e Joan Maroney, iniciadores e diretores de campanha da Divina Misericórdia para a América lançaram a iniciativa “Marcha com Cristo pela Vida”.

Em frente ao prédio da Suprema Corte, Dave e Joan, a equipe de marido e mulher conhecida também como Mães de Misericórdia (MOMM), incentivaram os manifestantes com cartazes da Misericórdia Divina e Nossa Senhora de Guadalupe.

Com o apoio financeiro do Centro Marian Helpers e de outros benfeitores, o MOMM, um apostolado dos Padres Marianos no EUA, imprimiu 7.500 imagens do tamanho de cartazes. Com a ajuda de padres, irmãos e seminaristas, o MOMM distribuiu 5.500 cartazes na maior manifestação pró-vida da nação, em Washington, D.C. Distribuíram pelo correio outros 2.000 para comícios em outras partes do país.

“Acreditamos que esta iniciativa tem o potencial de impactar dramaticamente nossa nação”, disse Joan, que incentiva todos a “confiar no poder de Jesus e pedir-lhe coisas grandes”. A maior das coisas, ela disse, é o fim do aborto.

Através do Marcha com Cristo pela Vida, o MOMM e os Padres Marianos escolheram ter também Nossa Senhora de Guadalupe nos cartazes. Desde a sua aparição em 1531, no México, a devoção é creditada por acabar com a prática indígena de sacrifício humano e levou à conversão de milhões ao cristianismo. “O sacrifício humano continua mais uma vez, só que agora chamamos de aborto”, disse Joan. “Só sei que, se colocarmos Jesus e Maria na frente das pessoas, Jesus mudará corações e mentes.”

 

Pró-vida é pró-ciência

A presença de Cristo na Marcha pela Vida serviu como contrapeso espiritual ao tema do dia, “Único desde o primeiro dia: Pró-Vida é Pró-Ciência”. Por meio de palestras e apresentações, a reunião de pré-marcha no National Mall enfatizou o fato biológico estabelecido de que os pré-nascidos são seres humanos vivos, completos e distintos. Em 1973, quando a decisão Roe v. Wade da Suprema Corte legalizou o aborto em toda a terra, os cientistas sabiam muito pouco sobre o desenvolvimento fetal – que no momento da fertilização, a composição genética de uma criança é completa, incluindo seu sexo; que na terceira semana o sistema nervoso de uma criança está se formando; e que seus olhos, pernas e coração estão se formando na semana 5.

“Nossa maior prioridade tem que ser a de defender a vida desde o primeiro momento, porque todos são únicos desde o primeiro dia. … Sabemos disso através da ciência”, disse o congressista Dan Lipinski, do Illinois, à multidão.

Mas mesmo que as leis mudem, Joan Maroney advertiu que os corações ainda precisam mudar.

“Há muitas, muitas pessoas que ainda pensam que ser pró-escolha é uma coisa boa. Conhecemos a ciência há anos. Sabemos os terríveis efeitos que o aborto teve sobre mulheres e homens que tomaram parte nele. Mesmo assim, as pessoas defendem o aborto, então o que ele vai levar? “Para mim”, ela disse, “vai demorar mais do que qualquer um de nós pode fazer. Vai ser necessária uma intervenção divina”.

Na Marcha para a Vida deste ano, Ele não podia ser esquecido.

A conexão da divina misericórdia 

Qual é a conexão entre o movimento pró-vida e a mensagem da Divina Misericórdia? Vamos começar com St. Faustina registrando em seu diário como ela ofereceria orações e sofrimentos para sua Polônia natal a fim de apaziguar a ira do Pai.

Por que Deus estava tão zangado com a Polônia? Como Dave e Joan gostam de destacar, na década de 1930, Varsóvia, na Polônia, tornou-se a capital do aborto na Europa Oriental. Curiosamente, as mensagens da Divina Misericórdia de Jesus a Santa Faustina começaram pouco antes da Polônia legalizar o aborto.

“Era como se Ele estivesse vindo para compensar o mal do aborto, oferecendo Sua misericórdia, mesmo para o maior dos pecadores”, diz Joan. “Apesar de quão zangado Deus estava com a Polônia e como ela sofreu durante a Segunda Guerra Mundial, a mensagem e a devoção da Divina Misericórdia surgiram das cinzas.”

E a Polônia também. Em 1989, a Polônia tornou-se o primeiro estado do Pacto de Varsóvia a se libertar da União Soviética – em grande parte devido ao Papa polonês, São João Paulo II, que fez da difusão da Divina Misericórdia a missão central de seu pontificado. Não é por acaso que o povo polaco aprovou um referendo que proíbe o aborto em 1993, o ano da beatificação de Faustina.

O MOMM observa que os Estados Unidos deveriam tomar uma página da Polônia, que continua sendo a nação mais pró-vida da Europa, unindo nossas orações com Jesus na cruz, como Santa Faustina fez. Quando o fazemos, Ele promete “derramar todo um oceano de graças” (Diário, 699).

Vamos rezar à Divina Misericórdia pelo fim do aborto.

 

Fonte: The Divine Mercy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *