Quarta palestra: Fala ao mundo da Minha grande e insondável misericórdia

A tarde deste segundo dia de congresso começou com a palestra “Fala ao mundo da Minha grande e insondável misericórdia”, um pedido deixado a nós por meio de Santa Faustina (cf. D. 164, 848).

Daniel Godri Jr. foi quem conduziu esta palestra que é também o tema do 17º Congresso Nacional da Misericórdia.  Daniel destacou que não é fácil exercermos a misericórdia!

Acompanhe o resume da palestra.

“Fala ao mundo da Minha grande e insondável misericórdia”

Sempre rezei o terço da Terço da Misericórdia, mas não conhecia a fundo esta devoção. Tive muitas dificuldades em minha vida, na minha família. Certo dia, estava no meu quarto e perguntei: Meu Deus quando é que vai acabar tudo isso, toda essa dificuldade? Neste momento eu estava revoltado. Não aguentava mais. Olhei para o quadro de Jesus Misericordioso querendo destruí-lo. Peguei aquele quadro e me preparei para arrebentá-lo. Mas eu não consegui. Abracei Jesus com força e chorei.

Hoje eu vejo que naquele momento eu joguei a minha raiva e as minhas miséria no lugar certo: no coração de Jesus.  Este foi um momento decisivo.  E é com alegria eu tenho visto muitos testemunhos de pessoas que se converteram também pela imagem de Jesus Misericordioso.

Nós precisamos divulgar hoje que o céu está em liquidação! Não é uma black friday, é o tempo todo. É o cestão de ofertas da misericórdia.

Com a mesma ênfase que divulgamos uma black friday  para os amigos, devemos divulgar a misericórdia divina. Devemos dizer a todos: O céu está em liquidação! Levem tudo! É de graça! É o tempo da misericórdia.

Com que empolgação estamos divulgando a misericórdia de Deus? Com que entusiasmo estamos enfrentando as dificuldades que nos atingem quando assumimos a missão de sermos divulgadores da misericórdia?  Vejamos o que diz Santa Faustina no seu Diário:

“Um dia, vi duas estradas: uma larga, atapetada de areia e flores, cheia de alegria e de música e de vários prazeres. As pessoas caminhavam por essa estrada dançando e se divertindo — chegavam ao fim, sem se aperceberem disso. E, no final dessa estrada, havia um enorme precipício, ou seja, o abismo do inferno. Essas almas caíam às cegas na voragem desse abismo; à medida que iam chegando, assim tombavam. E seu número era tão grande que não era possível contá-las. E avistei uma outra estrada, ou antes, uma vereda, porque era estreita e cheia de espinhos e de pedras, por onde as pessoas seguiam com lágrimas nos olhos e sofrendo dores diversas. Uns tropeçavam e caíam por cima dessas pedras, mas logo se levantavam e iam adiante. E no final da estrada havia um magnífico jardim, repleto de todos os tipos de felicidade e aí entravam todas essas almas. Já no primeiro momento, esqueciam-se de seus sofrimentos” (D. 153).

O caminho de Deus não é fácil. Santa Faustina foi muito feliz, mas ela sofreu muito. Nossa Senhora foi muito feliz, os apóstolos foram muito felizes, mas sofreram muito. Isso é próprio do caminho de Deus. Se as dificuldades existem, significa que estamos no caminho certo. E é Deus quem nos dá forças para seguir em frente.

Certa vez, Faustina não tinha forças para um determinado trabalho dentro do convento. Mas Jesus a ajudou. “Estou transformando o teu trabalho tão pesado em buquês das mais belas flores, e o seu perfume eleva-se até o Meu trono” (D.65).  Quando damos flores para uma pessoa, o que esse gesto significa? Amor!  A flor é um sinal do amor e da misericórdia de Deus.

A lei é pesada, mas a misericórdia é leve. A misericórdia dá suporte e suporta.

Temos que divulgar a misericórdia vivendo a misericórdia.  Temos que aprender a cair, mas cair no colo de Jesus.

Jesus prometeu:

As almas que divulgam o culto à Minha misericórdia, Eu as defendo por toda a vida como uma terna mãe defende o seu filhinho e na hora da morte não serei para elas Juiz, mas sim Salvador misericordioso” (D. 1075).

Ele também disse:

“Minha filha, se por teu intermédio peço aos homens devoção à Minha misericórdia, deves ser a primeira a distinguir-te pela tua confiança nela. Exijo de ti atos de misericórdia que devem decorrer do amor para Comigo. Deves mostrar-te misericordiosa com os outros sempre e em qualquer lugar. Tu não podes te omitir, desculpar-te ou justificar-te” ( D.742).

Jesus diz isso hoje para cada um nós: “Deves mostrar-te misericordioso com os outros sempre e em qualquer lugar”. Sempre é sempre, e com todas as pessoas.  E nós não temos justificativa para não agirmos desta maneira.

Viver a misericórdia, divulgar a misericórdia não é o que eu posso fazer, mas o que Deus pode fazer através de mim.  A misericórdia passa pela nossa natureza humana. O querer é nosso, mas o poder e a graça são de Deus. Deus vai fazer o possível por meio da nossa fraqueza.

Como tem sido a tua história? Talvez você só veja miséria em tua vida. Mas saiba que Deus vai tirar algo disso.  Temos que esperar mas sem se desesperar, sem se orgulhar, sem se envaidecer, porque somos fracos e pecadores. Temos que colocar nossa miséria nas mãos de Deus. Deus pode transformar em flores as nossas misérias.

O mundo preciso de misericórdia, a liturgia precisa de misericórdia, o nosso apostolado precisa de misericórdia.  Nós precisamos de leveza.  Você tem sido flor para o próximo?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *