Senado dos EUA bloqueia financiamento público à maior rede de clínicas de aborto

USA: El Senado aprueba no financiar a Planned Parenthood

A Planned Parenthood deve ser privada de US$ 500 milhões anuais provenientes do dinheiro dos contribuintes norte-americanos

Na última quinta-feira (03/12), o Senado dos Estados Unidos aprovou uma lei que bloqueia o financiamento público à rede de clínicas de aborto Planned Parenthood. A instituição é a maior promotora do aborto no país e tem grande influência em iniciativas abortistas em todo o mundo. Com a decisão, a Planned Parenthood deve ser privada de 89% dos 500 milhões de dólares provenientes do dinheiro dos contribuintes que recebia todos os anos, informa o Life News.

O projeto que impôs essa rigorosa limitação se baseia nas investigações que estão em curso sobre a venda de partes de corpos de bebês abortados, prática macabra e criminosa adotada pela instituição e flagrada em vídeos feitos por jornalistas investigativos, em julho deste ano. O Blog da Vida falou do caso e publicou os vídeos. A ideia dos senadores é interromper os repasses pelo prazo de um ano, até que as investigações sejam concluídas.

Para entrar em vigor, contudo, o texto ainda tem de passar pelo Congresso – casa que lá é o equivalente à nossa Câmara dos Deputados – e ser sancionado pelo presidente Barack Obama. Os congressistas devem aprova-lo sem grandes dificuldades já que é dominado pelo Partido Republicano, majoritariamente pró-vida. Obama, entretanto, avisou que se o projeto passar vai vetá-lo. Trata-se de coerência com a própria imoralidade.

Felizmente, em 2016 há novas eleições presidenciais e as pesquisas mostram que são grandes as chances de um republicano pró-vida chegar à Casa Branca. Na pior das hipóteses, portanto, quando Obama virar só uma lembrança ruim e irrelevante, é bastante provável que os cidadãos norte-americanos não sejam mais obrigados a ver seu dinheiro financiar o assassinato de bebês em gestação.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *