Yoga não é o suficiente para sentir a paternidade de Deus

O Santo Padre disse em sua homilia na última sexta-feira que somente o Espírito Santo torna o coração do homem dócil ao Senhor.

Somente o Espírito Santo torna o coração dócil a Deus e à liberdade. Afirmou o Papa Francisco na Missa desta manhã na capela da Casa Santa Marta. As dores da vida, sublinhou o Santo Padre, podem fechar uma pessoa, enquanto o amor liberta.

Uma sessão de yoga não poderá ensinar um coração a “sentir” a paternidade de Deus, nem curso de espiritualidade zen o tornará mais livre para amar. Somente o Espírito Santo tem este poder. O Papa se inspirou na liturgia do dia do Evangelho de Marcos – após a multiplicação dos pães, quando os discípulos se assustam ao ver Jesus andando em direção a eles sobre as águas – que termina com o porquê deste medo: os apóstolos não entenderam o milagre dos pães, porque “o coração deles estava endurecido.”

Um coração pode ser de pedra por muitas razões, continuou o Papa. Por exemplo, por causa de “experiências dolorosas”. Isso acontece com os discípulos de Emaús, temerosos de se iludirem “outra vez”; aconteceu com Tomé, que não quis acreditar na ressurreição de Jesus. E “outro motivo que endurece o coração – disse Francisco – é o fechamento em si mesmo”.

“Construir um mundo em si mesmo, fechado. Em si mesmo, na sua comunidade ou na sua paróquia, mas sempre fechado. O fechamento pode estar relacionado a muitas coisas… Pensemos no orgulho, na suficiência, achar que sou melhor do que outros, inclusive a vaidade, não? Existe homem e mulher-espelho, que são fechados em si mesmos por olhar continuamente a si mesmos, não é? Têm um coração duro, porque estão fechados, não estão abertos. E tentam se defender com esses muros que constroem ao seu redor “.

Há também quem se esconda atrás da lei, seguindo “literalmente” os mandamentos. Aqui, o que endurece o coração é um problema de “insegurança”. E quem busca solidez no ditado da lei se sente seguro – disse o Pontífice com um toque de ironia – como “um homem ou uma mulher na cela de uma prisão atrás das grades: é uma segurança sem liberdade”. Isto é, o contrário do que Jesus nos trouxe, ou seja, a liberdade.

E continuou explicando que “o coração, quando endurece, não é livre e se não é livre é porque não ama – assim termina o apóstolo João na primeira leitura-. O amor perfeito expulsa o temor. No amor não há temor, porque o temor supõe castigo, e quem teme não é perfeito no amor. Não é livre. Sempre tem o medo que aconteça algo doloroso, triste, que me faça ir mal na vida ou arriscar a salvação eterna. São tantas imaginações, porque não ama. Quem não ama não é livre. E seu coração estava endurecido, porque ainda não aprendeu a amar “.

Em seguida, o Papa questionou: “Quem nos ensina a amar? Quem nos liberta dessa dureza?”. “Somente o Espírito Santo”, foi sua resposta:

“Você pode fazer mil cursos de catequese, mil cursos de espiritualidade, mil cursos de yoga, zen, e todas essas coisas. Mas isso nunca vai ser capaz de lhe dar a liberdade de filho. Somente o Espírito Santo move o seu coração para dizer ‘Pai’. Apenas o Espírito Santo é capaz de afastar, de quebrar essa dureza de coração e tornar um coração mole? Eu não sei, eu prefiro a palavra ‘dócil’. Dócil ao Senhor. Dócil à liberdade do amor”.

fonte: Zenit

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *